Credenciamento de fisioterapeutas ajuda pacientes de "covid longa"

Há procura por parte dos ex-pacientes de covid que precisam de ajuda para voltar a ter uma vida funcional. O grupo de sequelas de longo prazo ainda tem condições desconhecidas que determinam a extensão e a severidade desses efeitos.
09/08/2021 14:15

O SIS credenciou 13 novas clínicas de fisioterapia que passam a atender com a carteira da rede própria (de fundo branco). Há especialistas para todas as necessidades: postura, desempenho esportivo, pilates, amamentação, ortopedia, urologia e reabilitação pós trauma, por exemplo. Há também clínicas que além de fisioterapia oferecem home care e fonoaudiologia.

O credenciamento chega num momento em que as buscas pela especialidade estão em alta. Há procura por parte dos ex-pacientes de covid que precisam de ajuda para voltar a ter uma vida funcional. O grupo de sequelas de longo prazo foi denominado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como “Covid longa” e não há ainda condições conhecidas que determinam a extensão e a severidade desses efeitos.

A covid longa está associada ao comprometimento de múltiplos sistemas, como respiratório, cardíaco, renal, endócrino e neurológico. Os sintomas mais comuns são fadiga, exaustão, pressão no peito, falta de ar, dores de cabeça e disfunções cognitivas – sendo que em muitos pacientes eles aparecem associados. Em entrevista ao SIS, o diretor da Associação de Fisioterapeutas do Brasil, Carlos Roberto Pereira (foto), ressaltou a preocupação com esse grupo.

– A covid longa está preocupando todas as classes que lidam com a saúde porque é uma doença multissistêmica com mais de duzentos sintomas listados e combinações variáveis, com padrões previsíveis e imprevisíveis. Sintomas após seis meses incluem fadiga extrema, problemas de memória e concentração – exemplifica o fisioterapeuta (clique para ouvir o podcast completo).

De acordo com um recente estudo divulgado pela World Physiotherapy , confederação que reúne os conselhos de fisioterapia de 125 países, 25% das pessoas que desenvolvem o vírus têm sintomas que duram pelo menos um mês, 10% continuam a senti-los após 12 semanas e há um grupo que ainda têm resquícios da doença após seis meses.

O documento da World Physiotherapy, denominado World Physiotherapy Response to COVID-19 Briefing Paper 9, afirma que a forma longa da covid-19 exige cuidados específicos quando o paciente está pronto para o caminho da recuperação de sua capacidade física. E é aí que a fisioterapia ganha papel essencial porque simplesmente voltar a malhar não está entre os primeiros passos.

"O que se sabe é que a atividade física pode ajudar pessoas com Covid longa, mas pode ser contraindicada ou aumentar sintomas em outras. Uma abordagem cautelosa parece o melhor para apoiar a recuperação a longo prazo˜, diz o texto assinado por um grupo de pesquisadores de renovadas universidades do Canadá, Austrália, Alemanha, Inglaterra, Irlanda, Suíça e Estados Unidos.

O alerta é para que a prescrição de exercícios seja restauradora, e nunca acentue  os sintomas durante e após a sessão. A reabilitação deve ser personalizada e orientada por metas, dependendo dos sintomas, objetivos e preferências do paciente. Além disso, o estudo adverte os fisioterapeutas para que:

1 - Observem sinais de exacerbação de sintomas durante e após a prática da atividade física antes de recomendarem definitivamente a volta aos exercícios como forma de reabilitação pós covid.

2 - Apresentem ao paciente  questionário sobre o período pós-exercício relatando se teve fadiga, exaustão, cansaço mental após reduzido esforço, enjoo após atividade e qual o tempo necessário para a recuperação pós atividade física e mental.

3 - Tracem um  ritmo de reabilitação baseado em metas realistas. Faz-se necessário o monitoramento das atividades físicas, cognitivas e sociais e dos seus efeitos nos níveis de energia do paciente. Devem ser considerados, também, qualidade do sono, descanso e hábitos de alimentação.

4 - Excluam pacientes com deficiência cardíaca antes do uso de esforço como forma de reabilitação durante covid longa, e façam monitoramento como forma de controle de cardiopatias que aparecem em decorrência da covid.

5 - Monitorem a saturação de oxigênio antes e durante o esforço.

6 - Avaliem disfunções no sistema nervoso autônomo (falta de ar, palpitações, fadiga, dores no peito, sensação de desmaio ou síncope), com monitoramento contínuo para intolerância da posição ortostática (em pé) em resposta à intervenção física.

Veja na tabela a seguir qual a clínica mais próxima de sua casa: