Ferramentas Pessoais
Acessar

Decisão de Rosa Weber demonstra a lisura da minha campanha, diz Davi

"Hoje, temos uma decisão definitiva. Recebi a informação de que finalmente os inquéritos abertos contra mim referentes às eleições de 2014, em que fui eleito senador pelo estado do Amapá, recebendo o voto de confiança de 131.635 amapaenses, encerrou-se", disse o presidente do Senado.
31/07/2019 16:25

O Diário de Justiça Eletrônico do Supremo Tribunal Federal trouxe publicadas, nesta quarta-feira (31), as decisões da ministra da Corte Rosa Weber de arquivar dois inquéritos abertos contra o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (Democratas-AP), referentes às eleições de 2014.

"Hoje, temos uma decisão definitiva. Recebi a informação de que finalmente os inquéritos abertos contra mim referentes às eleições de 2014, em que fui eleito senador pelo estado do Amapá, recebendo o voto de confiança de 131.635 amapaenses, encerrou-se", disse o presidente do Senado.

Davi lembrou que, bastou o anúncio do resultado das urnas, para o candidato derrotado do MDB demonstrar que não aceitou a vontade popular e que o caminho seria o de tentar atrapalhar o exercício do mandato parlamentar então conquistado, promovendo um injusto processo de cassação, repleto de equívocos e informações inverídicas.

"Desde então tomei a postura de confiar na justiça e deixar esse assunto de lado, focando nas minhas atividades parlamentares e na destinação das emendas que o Amapá precisa. Hoje temos uma decisão definitiva, que demonstra a lisura, a transparência e a legitimidade da minha campanha", declarou o presidente do Senado.

Em suas decisões, a ministra Rosa Weber acolheu o parecer da Procuradoria Geral da República, que, por meio de sua procuradora-geral, Raquel Dodge, recomendou o arquivamento dos processos, uma vez que a investigação policial não reuniu suporte mínimo probatório de materialidade e de autoria da prática de crime. Para Davi, é o fim de todo um trabalho que apenas visava o benefício de grupos que se revezam no poder no Amapá .

"Sempre tive muita tranquilidade acerca do processo, contudo faltava-me a decisão que restabeleceria a verdade. Não sou homem de vinganças, sou de trabalho e de harmonia. A política das brigas pessoais precisa ficar no passado. A classe política que o Brasil precisa deve se atentar a necessidade de união em favor do cidadão", conclamou o presidente.