Renan Calheiros destaca empenho de Fernando Lyra para a redemocratização do país

Secretaria de Imprensa da Presidência do Senado - Segunda-feira, 6 de Maio de 2013
06/05/2013 00:00

O ex-ministro da Justiça e ex-deputado federal por seis mandatos, Fernando Lyra, recebeu, nesta segunda-feira (6), homenagens póstumas pelos 40 anos dedicados à vida pública. A sessão solene do Congresso Nacional, dedicada ao político pernambucano, contou com a participação de vários senadores e deputados, além de muitos familiares. 

Fernando Lyra, que faleceu em fevereiro deste ano, aos 74 anos, foi um dos articuladores da candidatura de Tancredo Neves à Presidência da República, no Colégio Eleitoral, em 1985, depois que a emenda para eleições diretas foi derrotada no Congresso Nacional. Com a morte de Tancredo, o pernambucano foi mantido no primeiro governo democrático após 20 anos de ditadura militar, como ministro da Justiça, pelo então presidente José Sarney. 

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), lembrou dois traços da personalidade de Fernando Lyra que ele considerava brilhantes: a vocação para conciliar e a capacidade para articular. "O que mais sobressaiu, contudo, foi o seu empenho para a redemocratização do país. Naqueles tempos difíceis da retomada do comando político para a sociedade civil, frente ao Ministério da Justiça, durante o Governo Sarney, Fernando Lyra foi uma peça fundamental para o fim da censura. Foi o que podemos dizer o homem certo, para o lugar certo, no momento certo", ressaltou. 

Cumprida a missão ministerial, Fernando Lyra conquistou nova reeleição para deputado federal em 1986 e, no ano seguinte, migrou do PMDB para o PDT (Partido Democrático Trabalhista). Participou ainda da primeira eleição direta para presidente da República, em 1989, compondo chapa como vice de Leonel Brizola. Seu último mandato como deputado federal foi exercido até 1998, então já filiado ao PSB (Partido Socialista Brasileiro).

Encerrada a carreira eletiva, presidiu a Fundação Joaquim Nabuco, entre 2003 e 2011. "Tal como o seu conterrâneo Joaquim Nabuco, que dedicou grande parte de sua vida pública defendendo a abolição da escravatura, podemos dizer que Fernando Lyra empreendeu, durante toda sua trajetória existencial, onde quer que estivesse – Câmara dos Deputados, Ministério da Justiça, Fundação Joaquim Nabuco -, a defesa da conciliação, do entendimento e da harmonia. Tudo isso em prol do povo brasileiro", ressaltou Renan Calheiros.

 

Secretaria de Imprensa da Presidência do Senado