10/12/2019
Redes Sociais, Notícias Falsas e Privacidade de Dados na Internet
Mais de 80% dos brasileiros acreditam que redes sociais influenciam muito a opinião das pessoas

A percepção de que as redes sociais têm muita influência sobre a opinião das pessoas é compartilhada, em média, por 83% dos brasileiros. Mas o percentual varia conforme a escolaridade: é de 76% entre cidadãos que têm ensino fundamental e chega a 90% entre os que tem escolaridade superior. Os dados são da pesquisa nacional Redes Sociais, Notícias Falsas e Privacidade na Internet, realizada pelo DataSenado em parceria com as ouvidorias da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

 

 

 

Quanto à frequência com que meios de comunicação e redes sociais são usados como fonte de informação, 79% dos entrevistados responderam que sempre utilizam o Whatsapp, enquanto 50% indicaram que sempre recorrem à televisão e 49%, sempre se informam pelo Youtube.

 

 

Em relação a essas três categorias – televisão, YouTube e Instagram – observa-se que, quanto mais alta a faixa de idade, maior o percentual de entrevistados que respondem utilizar sempre televisão como fonte de informação. Por outro lado, para o Instagram e Youtube, o padrão é inverso: quanto mais baixa a faixa de idade, maior o percentual de entrevistados que respondem utilizar sempre essas redes sociais como fonte de informação.

 

 

 

 

O percentual de brasileiros que afirmam já ter identificado alguma notícia falsa nas redes sociais chega a 83%, mas também varia com características de perfil. É menor, por exemplo, entre os que têm 60 anos de idade ou mais (70%), os que têm até o ensino fundamental incompleto (67%) e os que possuem renda familiar até 2 salários mínimos (77%). Entre a média dos que afirmaram já ter identificado uma notícia falsa, 58% relatam que isso prejudicou a confiança deles nas redes sociais.

 

 

 

 

 

Quanto à confiança nas redes sociais, 62% dos brasileiros discordam da afirmação de que “Informações publicadas em redes sociais são mais confiáveis do que as publicadas na mídia tradicional”. Já em relação a notícias falsas, 96% dos brasileiros acreditam que quem as compartilha em redes sociais deve ser punido. A maioria também acredita que a punição deve ser estendida a quem desenvolve o conteúdo falso (69%) e à rede social em que este foi divulgado (68%).

 

 

Foram entrevistados 2.400 cidadãos que têm acesso à internet, em todas as unidades da federação, por meio de ligações para telefones fixos e móveis, no período de 17 a 31 de outubro. A amostra é estratificada, totalmente probabilística, com alocação proporcional à população segundo o IBGE. A margem de erro é de dois pontos percentuais com nível de confiança de 95%. Algumas questões foram respondidas por grupos específicos da amostra. Para estas questões a margem de erro é superior a dois pontos percentuais.