Ferramentas Pessoais
Acessar

Qualidade da internet banda larga

Pesquisa do DataSenado avalia opinião de cidadãos sobre a qualidade da internet banda larga nas cidades brasileiras com menor acesso à internet e o nível de conhecimento sobre o chamado Programa Nacional da Banda Larga, que leva acesso à internet às regiões mais carentes.
02/12/2014 00:00
Qualidade da internet banda larga

Foto: www.pixabay.com

Pesquisa DataSenado revela números de conexão da internet no Brasil do interior

Entre os pesquisados, apenas 22% ainda não têm acesso à internet em seus domicílios, índice que cresce para 43% no Norte do país e cai para 11% no Sul. É o que revela pesquisa telefônica do DataSenado feita por solicitação da Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT), que ouviu 809 pessoas residentes em todos os estados brasileiros, excluindo as capitais. As entrevistas foram realizadas de 29 de outubro a 12 de novembro, com maiores de 16 anos.

As principais causas apontadas para justificar a ausência de internet em casa foram: não ter computador na residência, que alcança 28% dos sem internet, seguida pelos 26% que não têm internet disponível na região e 25% que não têm dinheiro para pagar pelo serviço. Outros 12% disseram não ter interesse pelo acesso à rede.

A pesquisa também registrou que o acesso diário à internet é majoritário entre os respondentes – dos 78% que estão conectados em suas residências, 92% desses acessa a rede todos os dias. A conexão via cabo é utilizada por 36% e a linha telefônica por 32%. Outros 15% utilizam modem de telefonia móvel, 8% rádio e 3% satélite.

Os de maior escolaridade usam mais internet - apenas 17% dos pesquisados que concluíram o ensino superior não têm conexão doméstica de internet. Entre os que têm apenas o ensino fundamental esse índice é de 43%.

A internet é também o meio mais usado para acessar páginas de órgãos públicos – utilizada por 68% dos respondentes, de acordo com a pesquisa.

O Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), criado em 2010, pelo Governo Federal, para levar o acesso à internet às regiões mais carentes, é conhecido por um terço dos entrevistados - 33%. Intensamente debatido pela CCT, em 2014, o PNBL motivou a realização desta pesquisa.

registrado em: , ,