Seminário no Senado debate iniciativas para coibir a violência contra mulheres em Israel e no Brasil

20/11/2022 23:29

No dia 25 de novembro, das 9h00 às 12h30, no Plenário do Senado Federal, será realizado o Seminário Inovações e Iniciativas pela Eliminação da Violência contra as Mulheres. A procuradora Especial da Mulher, senadora Leila Barros, fará abertura do evento, que trará para o debate experiências exitosas realizadas em Israel e no Brasil.

A atividade acontece no Dia Internacional de Não Violência contra as Mulheres, data que marca, internacionalmente, o início da Campanha dos 16 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência contra as mulheres. No Brasil esta campanha tem cinco dias a mais de duração e corresponde a 21 dias, pois começa a ser realizada já no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra.

Em 1999, a ONU estipulou a data de 25 de novembro para estimular a reflexão sobre as situações de violência que as mulheres enfrentam. Num dia como esse, no ano de 1960, três irmãs – Pátria, Minerva e Maria Teresa, conhecidas como “Las Mariposas” – que faziam oposição ao ditador Leônidas Trujillo, da República Dominicana, foram brutalmente assassinadas.

O evento programado pelo Senado será constituído de dois momentos. Primeiro, das 9h às 10h, haverá a abertura solene, com falas da procuradora Especial da Mulher do Senado, senadora Leila Barros; do embaixador de Israel, Daniel Zohar Zonshine; da líder da Bancada Feminina, senadora Eliziane Gama; Procuradora da Mulher da Câmara dos Deputados, deputada Tereza Nelma e da diretora-Geral do Senado, Ilana Trombka.

Entre 10h e 12h30, será realizada a parte técnica do evento, que contará com a participação de: Lili Ben Ami, ativista israelense cujo nome está à frente de várias iniciativas contra a violência de gênero em Israel; Maria Terezinha Nunes, coordenadora da Rede de Equidade; Maria Teresa Prado, coordenadora do Observatório da Mulher contra a Violência (OMV); Ana Claudia Oliveira, coordenadora-Geral de Pesquisa do Observatório Nacional da Mulher na Política (ONMP);  Ana Claudia Pereira, representante da ONU Mulheres; e Jussara Pellicano Botelho, CEO da startup brasileira Sisterware – comunidade da mulher que viaja.

A participação de Lili Ben Ami nasceu de conversas entre a Procuradoria Especial da Mulher, a Liderança da Bancada Feminina e a Embaixada de Israel. Ela é fundadora do “Michal Sala Forum”, associação que fundou para prevenir a violência contra as mulheres e que leva o nome de sua própria irmã, vítima de um feminicídio.

Hoje o nome de Lili Ben Ami está ligado a uma série de iniciativas que visam promover a segurança das mulheres em seus lares, que vão desde o treinamento de cães para acompanhar as mulheres ao desenvolvimento de tecnologias de segurança inteligentes, passando por campanhas contra a violência e iniciativas legislativas para negar a tutela de crianças ao pai condenado por matar ou tentar matar a cônjuge.

A senadora Leila Barros, procuradora Especial da Mulher do Senado, destaca a importância do evento: “Em Israel, no Brasil e no mundo, infelizmente, o feminicídio tem abreviado covardemente a vida de muitas mulheres, chegando a escandalizar pelas formas mais bárbaras com as quais foram mortas e pelos motivos mais fúteis e absurdos que são usados pelos homens para “justificar” esses feminicídios. Neste seminário, acho que tanto as pessoas de Israel quanto as do Brasil vão aprender muito sobre o que é possível e é necessário fazer para mudar essa realidade terrível dos feminicídios”.

O grupo musical feminino Segura Elas fará o número musical do seminário, com flauta, cavaco e pandeiro.

A participação é aberta a todas as interessadas, que precisam chegar antes para se identificar na entrada do Senado.

 

 

 

 

 

PROGRAMAÇÃO DO SEMINÁRIO

“INOVAÇÕES E INICIATIVAS PELA ELIMINAÇÃO DE VIOLÊNCIAS CONTRA AS MULHERES”

 

Data: 25/11/2022

Horário: 9h às 12h30

Mesa de abertura:  9h às 10h

Procuradora da Mulher do Senado Federal, Senadora Leila Barros;

Lider da Bancada Feminina, Senadora Eliziane Gama;

Embaixador de Israel, Sr. Daniel Zohar Zonshine;

Diretora Geral do Senado, Dra. Ilana Trombka.

Mesa temática:  10h às 12h30

15 a 20 min para cada participante.

10:00 às 10:20

Lili Ben Ami

Lili Ben Ami fundou a associação “Michal Sela Forum” para prevenir a violência contra as mulheres. A singularidade da associação fundada por Lili após o assassinato de sua irmã Michal Sela está no fato de que ela trabalha para prevenir a violência doméstica, e não – como muitas vezes acontece no trabalho com mulheres – para separar homens violentos de mulheres depois que a violência eclodiu. A principal consequência desse tipo de separação costuma ser o envio das vítimas a um abrigo para mulheres, que separa a mulher e seus filhos de seu ambiente.

Lili atua em vários níveis: desenvolvimento tecnológico para vigilância e prevenção da violência, com a ajuda das forças de segurança e pessoal especializado em de alta tecnologia, lidando, por exemplo, com a previsão do comportamento humano com base na integração da inteligência artificial; "Patrulha Michal" – protegendo as casas com a ajuda de empresas de segurança; e treinamento de cães para acompanhar e proteger a mulher.

A associação de Lili organizou grandes competições para inventar startups de tecnologia que salvam vidas para mulheres capturadas pela violência, “hackatons”, aceleradores de projetos inovadores para a proteção de mulheres ameaçadas, programas educacionais e campanhas públicas nacionais, incluindo "Cinco sinais de alerta nos relacionamentos".

Lili ainda tem desempenhado um papel fundamental na legislação mais significativa no campo da violência doméstica nos últimos anos, com foco na negação da tutela a um dos pais condenado por homicídio ou tentativa de homicídio de seu cônjuge. Sua associação mantém contato e é apoiada pelo cientista-chefe do Ministério da Segurança Interna de Israel.

 

10:20 às 10:40

Maria Terezinha Nunes

Coordenadora da Rede Equidade, trabalha há mais de dez anos com o tema da equidade de gênero e raça no Senado Federal, tendo atuado como advogada voluntária em projeto de atendimento às mulheres em situação de violência doméstica e familiar no DF.

Graduada em Economia e Direito, advogada, possui formação em “Gênero e Direito”, pela Escola Superior de Magistratura do DF; em “Direitos Humanos das Mulheres: Teoria e Prática”, pela Faculdade de Direito do Chile; e mestre pelo Programa de Pós-Graduação do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher da Universidade Federal da Bahia - UFBA.

10:40 às 11:00

Maria Teresa Prado

Coordenadora do Observatório da Mulher Contra a Violência do Senado Federal (OMV).

Analista do Senado Federal, formada em Comunicação pela Universidade de Brasília (UnB) e especialista em Inovação pela Universidade de Cambridge.

 

11:00 às 11: 20

Ana Cláudia Oliveira

Coordenadora-Geral de Pesquisa do Observatório Nacional da Mulher na Política (ONMP) e assessora legislativa da Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados.

Mestre em Igualdade e Gênero pela Universidad de Málaga/Espanha e Especialista em Parlamento e Direito pelo CEFOR/Câmara dos Deputados.

 

11:20 às 11:40

Ana Claudia Pereira

Analista de programas e líder da equipe de Governança e Participação Política da ONU Mulheres.

Doutora em Ciência Política pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP-UERJ).

11:40 às 12:00

CNJ – Ouvidoria da Mulher (a confirmar)

12:00 Às 12:20

Jussara Pellicano Botelho

CEO da Sisterwave, comunidade da mulher que viaja, startup brasileira campeã da III Competição Global de Startups de Turismo realizada pela Organização Mundial do Turismo (OMT), na categoria do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 5 (ODS 5): Equidade de Gênero e ganhou o Desafio Turistech do Ministério do Turismo e Wakalua.

O propósito da Sisterwave é trazer mais equidade de gênero nas viagens e isso é feito através da unão do poder da sororidade e da tecnologia.  A Sisterwave encoraja mulheres a viajarem com mais liberdade e com menos medos.

Comunidade global de apoio local para mulheres que amam viajar, a Sisterwave possibilita às “sisters” (as integrantes da comunidade) participar da rede social entre mulheres viajantes; adquirir ou oferecer serviços relacionados a viagem entre si; E trocar informações diretamente com as outras sisters através do chat, ou participando dos grupos.

 

12:20 às 12:30

Encerramento