Ferramentas Pessoais
Acessar

Parlamentares tiram o chapéu para a campanha Reforma Mais Mulheres na Política

05/05/2015 20:25

Mulheres na Política: a reforma que Brasil precisa. Essa foi a palavra de ordem, no Hall da Taquigrafia da Câmara dos Deputados, às 14h,  desta terça-feira (5/5).  No ato, parlamentares como a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e as deputadas federais Moema Gramacho (PT-BA) e Benedita da Silva ( PT/RJ), além de ativistas que defendem a causa “tiraram o chapéu”  literalmente para as mulheres do País. A atividade retratou o simbolismo da entrada do Congresso Nacional, conhecida como chapelaria, representado pela maioria de homens.

Foto: Marcelo Favaretti

A ideia das parlamentares, que usaram chapéus pretos com fita lilás, foi uma forma de chamar atenção da Casa. Munidas de megafone, fizeram “barulho” com palavras de ordem. “Nossa bandeira em defesa de 30% de vagas para mulheres no Congresso é uma luta justa em defesa das mulheres e pelo Brasil”, anunciou Vanessa Grazziotin. “Viemos somar e fazer toda a nossa esperança no Congresso”, disse Benedita da Silva.

Em seguida, elas participaram de audiência pública sobre o tema na Comissão Especial da Reforma Política, no Plenário 9, Anexo II, Câmara. Entre as autoridades, além da senadora Vanessa Grazziotin e 21 deputadas,  participaram do evento.
a ministra Eleonora Menicucci, da Secretaria de Políticas para Mulheres da Presidência da República (SPM); a representante da ONU/Mulheres no Brasil, Luana Grillo; a presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Vic Barros e a diretora do Centro Feminista de Estudos e Assessoria (Cfemea), Graciela Oliveira.

“Somos 52% da população brasileira e mães da outra metade que é do  sexo masculino, portanto, somos mães deles.  Defendo 30% de vagas no legislativo e também a presença de 30% de mulheres em todas as mesas diretoras”, acrescentou a ministra Eleonora Menicucci.

O deputado Marcelo Castro (PMDB-PI), relator da Comissão de Reforma Política, afirmou que a  situação da mulher no Parlamento brasileiro é “vexatória”, no mundo e na América Latina. Ele disse que  irá  deliberar sobre a o assunto, levando em conta todas as informações apresentadas. “Vamos tratar com todo carinho e seriedade na Comissão e levarei a minha opinião”, finalizou.

registrado em: