Palestra leva conhecimento sobre violência doméstica a prestadores de serviço do Senado

17/08/2022 14:21

Como parte das atividades da Campanha do Agosto Lilás, abraçada pela senadora Leila Barros, procuradoria Especial da Mulher do Senado, a Procuradoria da Mulher (ProMul) realizou palestra nesta 4ª feira, 17 de agosto, para cerca de 60 funcionários do Grupo RCS – Tecnologia, que prestam serviços de manutenção elétrica para o Senado, no Plenário 6 da Ala Senador Nilo Coelho.

A tarefa de sensibilizar e cativar o público da atividade, majoritária mas não exclusivamente masculino, coube à Drª Lúcia Bessa, assessora jurídica da ProMul, que se desincumbiu da missão recorrendo a muitos exemplos de sua militância na advocacia feminina e feminista na OAB , bem como de sua experiência no Poder Executivo local, como ex-subsecretária de Mulheres do GDF, função na qual conheceu de perto

Cultura machista

Mencionando a existência de equipamentos como os Núcleos de Atendimento às Vítimas e aos Autores de Violência Doméstica (NAFAVD), a Drª Lúcia falou da atuação dos especialistas que precisam quase “reprogramar” a cabeça de homens que agrediram suas mulheres e foram formados numa cultura configurada pelo machismo em todas as suas linhas.

Traços desta cultura estão em ditados que mostram ou reforçam a “supremacia masculina”, como “homem, pode; mulher, pede”, que minoram o mal da companhia tóxica masculina – “ruim com ele, pior sem ele” ou “antes mal acompanhada do que só” –; em atitudes, como a dificuldade feminina para traçar limites diante de comportamentos invasivos, como se só a vontade do homem tivesse que prevalecer; ou em expectativas de que à mulher cabe cuidar do homem, como se fosse seu filho, e não seu cônjuge.

Feminicídios

A necessidade de desconstruir essa programação de comportamentos violentos e tóxicos para o relacionamento conjugal deve ser feita antes mesmo da agressão, pois frequentemente a mulher é morta. “Com 16 anos de Lei Maria da Penha, equipamentos públicos exemplares – em comparação com o restante do país –, como podemos ter tido 14 feminicídios no Distrito Federal, até essa primeira metade do mês de agosto?”, perguntou a Drª Lúcia.

Instigados a responder, alguns se calaram, mas outros arriscaram e foram na mosca – “falta de respeito”, disse Lucas. “Falta de amor”, disse Edmilson. Pedindo palmas à participação, a Drª Lucia frisou: “quem ama, cuida, zela, protege, respeita, quer ver o outro bem, de bem com a vida; quem ama, quer acordar todos os dias ao lado daquela pessoa e fazê-la saber o quanto isso é bom”.

Para Vivian Camargo, coordenadora de contratos da empresa no DF, “quando uma mulher fala para os homens esses assuntos, isso traz uma força para nós mulheres”. Ao lado da RH da empresa no Senado, Reigna Resende Silva, ela conversou sobre a possibilidade de estender a palestra para os outros 2.000 colaboradores da empresa.

Palestras

Nesta 5ª feira, 18/08, uma segunda leva de funcionários da RCS assistirá à nova palestra da Drª Lúcia, de acordo com o acertado com Éverson de Castro e Cairo Uchôa, funcionários que primeiro combinaram a atividade com a coordenadora da ProMUl, Isis Marra.

Na semana passada, a ProMul esteve presente em Santa Maria, falando a um grupo de prestadores de serviço que trabalham como entregadores e entregadoras da ID logística. Aprovada pelo Senado, a Campanha do Agosto Lilás nasceu em torno da tradição de comemorar o aniversário da Lei 11.340, de 7 de agosto de 2006, estendendo para todo o mês as atividades de prevenção e conscientização sobre a importância do enfrentamento da violência contra a mulher.