Dia do Ouvidor: Plínio Valério comenta atividades da Ouvidoria do Senado e principais demandas da sociedade

Nesta quarta-feira (16), é comemorado o Dia Nacional do Ouvidor, estabelecido por uma lei aprovada pelo Congresso há 10 anos. A Ouvidoria do Senado foi criada em 2011 para ser um canal direto de comunicação da sociedade com o Senado Federal.
16/03/2022 12:48

Nesta quarta-feira (16), é comemorado o Dia Nacional do Ouvidor, estabelecido por uma lei aprovada pelo Congresso há 10 anos. A Ouvidoria do Senado foi criada em 2011 para ser um canal direto de comunicação da sociedade com o Senado Federal. Em entrevista à Rádio Senado, o Ouvidor-Geral do Senado, senador Plínio Valério (PSDB-AM), falou sobre as atividades da ouvidoria, as principais demandas da sociedade, as recentes mudanças feitas para aproximar a ouvidoria do cidadão e as atuais expectativas.

Na entrevista, o ouvidor destacou as mudanças implantadas no órgão para aproximar os cidadãos ainda mais das decisões do Senado. “Tratamos com carinho, delicadeza, ouvindo todas as pessoas. Às vezes o atendimento demora 20 minutos, 15 minutos. Então é aquela atenção dada e a certeza e a garantia de que aquela demanda [encaminhada pelo cidadão] chegará ao seu destino com qualidade e confiança, dando valor a tipo de solicitações, denúncias e sugestões”, afirmou o senador. “Eu acho que esse tratamento dado, esse carinho e respeito com que o cidadão é tratado, faz a diferença. Isso tem sido muito bom e aumentou nossa demanda consideravelmente”, completou.

O titular da Ouvidoria-Geral ressaltou ainda que o órgão tem separado as demandas por estado, encaminhando-as para os três representantes de cada unidade da federação. “As demandas são grandes e variadas. Reclamações, solicitações, denúncias e até mesmo elogios. Notamos muitas sugestões também”, explica.

Para participar da Ouvidoria do Senado, os cidadãos podem acessar o site www.senado.leg.br/ouvidoria ou ligar para o telefone 0800 061 2211, o canal que recebe a maior parte das demandas. “Os cidadãos podem confiar que as demandas chegarão no destino certo. Há uma triagem, mas ela não é censura. É justamente para que a demanda chegue diretamente onde deve chegar”, disse.

Ouça a íntegra da entrevista aqui.