Memórias de 1964: senadores relembram momentos que antecederam o Golpe Militar

Da Redação | 25/03/2014, 20h15 - ATUALIZADO EM 09/01/2020, 17h32

A Agência Senado publica a partir desta terça-feira (25) série de depoimentos com senadores que viveram os tensos momentos anteriores ao movimento militar de 1964. O primeiro vídeo é com o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), que relata o sentimento de estupefação que toma conta dos estudantes em Recife.

— A sensação pra mim era que o Brasil tinha morrido, que tinham apagado todas as luzes e que a gente entrava numa escuridão — conta o então estudante de engenharia na Universidade Federal de Pernambuco.

Embora admita que a abertura política lenta e gradual, executada pelos militares, tenha sido a solução possível para o restabelecimento da democracia, Cristovam entende que o “Brasil se viciou na conciliação”.

— Foi o caminho certo. O problema é que a gente continua até hoje nessa tal de conciliação. Até hoje não fizemos as mudanças que precisávamos ter feito. Continuamos conciliando em tudo – afirma.



Relacionadas:

Hotsite da Agência Senado reconta a história de 64

Golpe de 1964: o papel desempenhado pelos parlamentares

Filinto Muller serviu a duas ditaduras

Vice-presidente civil foi impedido de assumir

Pressão de Brizola radicalizou discurso de Jango

Ranieri Mazzilli ocupou a Presidência à espera do primeiro general

Auro de Moura Andrade, à serviço do Golpe, declarou vaga a Presidência

Jarbas e Luiz Henrique falam sobre resistência à ditadura

Arthur Virgílio Filho, mesmo derrotado pelos golpistas, manteve oposição à Ditadura

Firmeza e capacidade de conciliação foram marcas de Tancredo

João Agripino via Jango como ameaça às instituições

1964: pouco antes do golpe, reforma agrária esteve no centro dos debates no Senado

Memórias do golpe: Simon e Figueiró apresentam visões diferentes de 64

Senado terá sessão especial para marcar os 50 anos do golpe de 1964

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE: