Pressão de Brizola radicalizou discurso de Jango

Da Redação | 27/03/2014, 20h30 - ATUALIZADO EM 09/01/2020, 17h36

Então deputado federal pelo PTB do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola foi um dos mais ardorosos defensores das reformas de base propostas pelo presidente João Goulart. Sua atuação, como governador do Rio Grande do Sul, na chamada "Campanha da Legalidade', que ajudou a garantir a posse de Jango, durante a crise da renúncia de Jânio Quadros, em 1961, deu a Brizola força política para pressionar o presidente (seu cunhado) pelas mudanças estruturais, principalmente na economia.

Durante os debates que antecederam o Golpe, Brizola era constantemente citado ora como incendiário e comunista, pelos representantes da UDN; ora como democrata e defensor da justiça social, pelos integrantes do PTB. Carismático e popular, era apontado como provável candidato do trabalhista à Presidência da República, nas eleições que deveriam ocorrer em 1965.

Foi um dos primeiros alvos da repressão política, tendo sido cassado pelo Ato Institucional nº1, na primeira leva de opositores. Conforme relato do senador Pedro Simon (PMDB-RS), Brizola acreditava ser possível resistir ao golpe de Estado, fiando-se no apoio das forças militares sediadas no Rio Grande do Sul. Ainda segundo Simon, o então deputado Brizola teve sua residência metralhada pelos militares golpistas no dia 2 de abril de 1964.

Leonel de Moura Brizola seguiu para o exílio no Uruguai, onde tentou organizar a resistência armada à Ditadura. Foi também para os Estados Unidos e Lisboa, de onde retornou ao Brasil 15 anos depois. Com a abertura, teve uma última derrota imposta pelos militares, ao ver negado o domínio do PTB – a legenda foi entregue a Ivete Vargas, sobrinha de Getúlio. Brizola, então, organizou o Partido Democrático Trabalhista (PDT), pelo qual foi eleito duas vezes governador do Rio de Janeiro e pelo qual tentou por duas vezes – sem sucesso – chegar ao Planalto. Morreu em 21 de janeiro de 2004, aos 82 anos.



Relacionadas:

Hotsite da Agência Senado reconta a história de 64

Memórias de 1964: senadores relembram momentos que antecederam o Golpe Militar

Golpe de 1964: o papel desempenhado pelos parlamentares

Filinto Muller serviu a duas ditaduras

Vice-presidente civil foi impedido de assumir

Ranieri Mazzilli ocupou a Presidência à espera do primeiro general

Auro de Moura Andrade, à serviço do Golpe, declarou vaga a Presidência

Jarbas e Luiz Henrique falam sobre resistência à ditadura

Arthur Virgílio Filho, mesmo derrotado pelos golpistas, manteve oposição à Ditadura

Firmeza e capacidade de conciliação foram marcas de Tancredo

João Agripino via Jango como ameaça às instituições

1964: pouco antes do golpe, reforma agrária esteve no centro dos debates no Senado

Memórias do golpe: Simon e Figueiró apresentam visões diferentes de 64

Senado terá sessão especial para marcar os 50 anos do golpe de 1964

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE: