Ranieri Mazzilli ocupou a Presidência à espera do primeiro general

Da Redação | 27/03/2014, 20h30 - ATUALIZADO EM 09/01/2020, 17h37

Coube ao deputado Paschoal Ranieri Mazzilli ocupar a Presidência da República em duas ocasiões fundamentais para os desdobramentos da crise que culminou com o Golpe de 64. A primeira ocorreu em agosto de 1961, quando Jânio Quadros renunciou e o vice João Goulart estava em viagem oficial à China. A renúncia acirrou as desconfianças dos militares e da elite empresarial. Sem condições políticas de assumir o governo, Jango teve que se submeter à solução parlamentarista.

Em 2 de abril de 1964, Mazzilli voltou à Presidência da República, logo em seguida ao golpe que derrubou Jango. O breve mandato não passou de um arremedo institucional, já que o poder de fato já era exercido pelo “Comando Supremo da Revolução”, formado pelos três comandantes das Forças Armadas.

Como presidente da Câmara, Mazzilli aceitou o Ato Institucional número 1, que convocou eleições indiretas para a Presidência da República, e a cassação de parlamentares janguistas.

Ranieri Mazzilli elegeu-se deputado pela primeira vez em 1950, pelo PSD. O partido fez parte da coalizão que governou o país nos mandatos de Getúlio Vargas, de Juscelino Kubistchek e do próprio Jango. Com o acirramento da tensão política, os principais nomes do PSD se somaram à UDN e passaram a fazer oposição ferrenha ao presidente. Foi o caso de Mazzilli, que ocupou a Presidência da Câmara entre 1958 e 1965. Com a dissolução dos partidos políticos e a adoção do bipartidarismo, filiou-se ao MDB, que fazia a oposição consentida ao regime militar.

Pelo novo partido, não conseguiu se reeleger. Faleceu em São Paulo, em 1975, aos 65 anos.



Relacionadas:

Hotsite da Agência Senado reconta a história de 64

Memórias de 1964: senadores relembram momentos que antecederam o Golpe Militar

Golpe de 1964: o papel desempenhado pelos parlamentares

Filinto Muller serviu a duas ditaduras

Vice-presidente civil foi impedido de assumir

Pressão de Brizola radicalizou discurso de Jango

Auro de Moura Andrade, à serviço do Golpe, declarou vaga a Presidência

Jarbas e Luiz Henrique falam sobre resistência à ditadura

Arthur Virgílio Filho, mesmo derrotado pelos golpistas, manteve oposição à Ditadura

Firmeza e capacidade de conciliação foram marcas de Tancredo

João Agripino via Jango como ameaça às instituições

1964: pouco antes do golpe, reforma agrária esteve no centro dos debates no Senado

Memórias do golpe: Simon e Figueiró apresentam visões diferentes de 64

Senado terá sessão especial para marcar os 50 anos do golpe de 1964

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE: