Golpe de 1964: o papel desempenhado pelos parlamentares

Marco Antonio Reis | 27/03/2014, 20h15 - ATUALIZADO EM 09/01/2020, 17h34

O Golpe de 1964, que mergulhou o país em mais de duas décadas de arbítrio, não foi gestado apenas nos quartéis. Nos primeiros atos, o movimento recebeu apoio considerável da sociedade e de seus representantes políticos. O próprio Congresso Nacional, que durante a Ditadura teve seus poderes limitados pelos militares, teve um papel dos mais importantes no aumento da temperatura política e na própria deposição do presidente João Goulart. Nos debates em Plenário, era possível perceber o embate duro, radicalizado, que permitiria pouco espaço para solucionar as crises políticas.

A partir de 25 de agosto de 1961, data da renúncia do presidente Jânio Quadros, até o fatídico 1º de abril de 1964, a temperatura política foi sempre das mais elevadas. A Campanha da Legalidade, em 1961, garantiu a posse de João Goulart, mas seu curto governo foi marcado pela tensão política: o presidente da República só passou a ter plenos poderes depois de plebiscito que deu fim ao parlamentarismo de ocasião, em janeiro de 1963. Nesse contexto de discursos inflamados e tentativas de apaziguamento, alguns parlamentares se destacaram.

Auro de Moura Andrade, que declarou vaga a Presidência; Ranieri Mazzilli, que assumiu o governo temporariamente à espera do primeiro general-presidente; Filinto Muller, associado a ditaduras desde o Estado Novo; Pedro Aleixo, que se tornou vice de Costa e Silva, mas não teve a benção dos militares para assumir; Arthur Virgílio e João Agripino, que duelavam na tribuna sobre os rumos do país; Leonel Brizola, incendiário para uns, revolucionário para outros; e Tancredo Neves, mestre na arte da conciliação e que ajudaria a conduzir o país para fora da tormenta do arbítrio. São nomes que, para o mal ou para o bem, dão a medida da importância do respeito às diferenças políticas e da preservação das instituições democráticas.



Relacionadas:

Hotsite da Agência Senado reconta a história de 64

Memórias de 1964: senadores relembram momentos que antecederam o Golpe Militar

Filinto Muller serviu a duas ditaduras

Vice-presidente civil foi impedido de assumir

Pressão de Brizola radicalizou discurso de Jango

Ranieri Mazzilli ocupou a Presidência à espera do primeiro general

Auro de Moura Andrade, à serviço do Golpe, declarou vaga a Presidência

Jarbas e Luiz Henrique falam sobre resistência à ditadura

Arthur Virgílio Filho, mesmo derrotado pelos golpistas, manteve oposição à Ditadura

Firmeza e capacidade de conciliação foram marcas de Tancredo

João Agripino via Jango como ameaça às instituições

1964: pouco antes do golpe, reforma agrária esteve no centro dos debates no Senado

Memórias do golpe: Simon e Figueiró apresentam visões diferentes de 64

Senado terá sessão especial para marcar os 50 anos do golpe de 1964

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE: