Jarbas e Luiz Henrique falam sobre resistência à ditadura

Da Redação | 27/03/2014, 21h20 - ATUALIZADO EM 09/01/2020, 17h42

A resistência ao regime militar é o tema principal dos depoimentos dos senadores Jarbas Vasconcellos (PMDB-PE) e Luiz Henrique (PMDB-SC), para a série Memórias do Golpe, que a Agência Senado apresenta esta semana.

O parlamentar catarinense defende a opção pela luta sem armas, buscando brechas no regime. Para ele, “a guerrilha foi o fermento que alimentou a repressão”.

— Como não fui para a luta armada, a opção era o MDB – completa Jarbas, sobre a oposição possível no regime autoritário.

Quem também relembra o período pós-64 é o senador Francisco Dornelles (PP-RJ). Embora crítico da falta de liberdade, especialmente nos governos depois de Castelo Branco, Dornelles avalia como positivo o desempenho do regime na área econômica.



Relacionadas:

Hotsite da Agência Senado reconta a história de 64

Memórias de 1964: senadores relembram momentos que antecederam o Golpe Militar

Golpe de 1964: o papel desempenhado pelos parlamentares

Filinto Muller serviu a duas ditaduras

Vice-presidente civil foi impedido de assumir

Pressão de Brizola radicalizou discurso de Jango

Ranieri Mazzilli ocupou a Presidência à espera do primeiro general

Auro de Moura Andrade, à serviço do Golpe, declarou vaga a Presidência

Arthur Virgílio Filho, mesmo derrotado pelos golpistas, manteve oposição à Ditadura

Firmeza e capacidade de conciliação foram marcas de Tancredo

João Agripino via Jango como ameaça às instituições

1964: pouco antes do golpe, reforma agrária esteve no centro dos debates no Senado

Memórias do golpe: Simon e Figueiró apresentam visões diferentes de 64

Senado terá sessão especial para marcar os 50 anos do golpe de 1964

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE: