Debatedores elogiam iniciativa e sugerem ajustes na PEC da reforma tributária

Da Redação | 27/08/2019, 19h12

Debatedores ouvidos nesta terça-feira (27) pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) foram unânimes na crítica ao sistema tributário atual, na importância de uma reforma e na necessidade de ajustes no texto da proposta em discussão. A audiência faz parte de uma série de debates sugeridos e presididos pelo senador Roberto Rocha (PSDB-MA), relator da reforma tributária (PEC 110/2019) na CCJ.

O presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Murilo Portugal Filho, lembrou que a reforma tributária vem sendo debatida no país há duas décadas, sem muito progresso. Ele disse, porém, ter a esperança de que o debate de agora seja produtivo. Em sua opinião, um sistema tributário justo e moderno deve ser “simples, transparente, neutro e equitativo”.

Murilo Portugal lamentou o grande número de isenções, criticou os tributos sobre o sistema bancário e afirmou que a carga tributária nacional, de cerca de 33%, é muito alta. Segundo o presidente da Febraban, a média é de 27% para países em desenvolvimento. Ele ainda disse esperar que a reforma tenha um impacto importante na produtividade do país e sugeriu alterações na forma de cobrança e recolhimento do imposto sobre bens e serviços (IBS).

— A reforma tem que olhar para o futuro. Precisamos pensar nos novos paradigmas da economia digital e nos novos negócios que privilegiam os serviços — declarou.

Na visão do gerente de Políticas Fiscal e Tributária da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Mário Sérgio Carrato Telles, a produtividade industrial do Brasil vem sendo comprometida por um sistema tributário ineficiente. Essa situação, apontou, termina onerando os investimentos e comprometendo o crescimento do produto interno bruto (PIB).

Mário Sérgio Telles lamentou a tributação do consumo e citou uma pesquisa que aponta que 75% dos empresários querem mudanças na atual forma de cobrança do ICMS. Ele criticou o imposto seletivo incidente sobre diversos insumos de produção, que prejudicaria o investimento das empresas, e as alíquotas uniformes entre estados, que comprometeriam a flexibilidade dos estados em momentos específicos.

Apesar das críticas, Telles elogiou o texto da PEC e sugeriu o aproveitamento de pontos da proposta de reforma tributária da Câmara dos Deputados (PEC 45/2019). Também sugeriu a criação de um fundo de desenvolvimento regional, para investimentos em infraestrutura ou incentivos à permanência de empresas na região.

— A reforma tributária é fundamental para sair dessa equação de baixo crescimento — afirmou Telles.

Na visão do presidente da Associação Brasileira de Advocacia Tributária (Abat), Halley Henares Neto, a reforma tributária precisa focar a desoneração sobre a folha de pagamento. Ele disse que a medida é essencial para retomada da geração de empregos. Halley Neto deixou com a comissão um documento com sugestões para a reforma tributária, entre as quais ele destacou a redução seletiva de cobrança de tributos, baseada em número de empregados e massa salarial — com incentivos para as empresas que empregam mais e pagam melhor.

PEC

A série de debates coordenada por Roberto Rocha, iniciada na semana passada, tem outro encontro marcado para esta quinta-feira (29), às 14h. O senador disse que é preciso ouvir vários atores econômicos, reconheceu que a reforma é uma tarefa difícil e classificou o sistema atual como um manicômio tributário.

— Temos o consenso de reformar o sistema tributário atual para um sistema mais justo. Essa reforma será essencial para o crescimento do Brasil — declarou o senador, ressaltando que deve apresentar seu relatório em “poucos dias”.

De iniciativa do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, a proposta de reforma tributária extingue os seguintes tributos: IPI, IOF, PIS/Pasep, Cofins, Salário-Educação, Cide-combustíveis e CSLL (federais); ICMS (estadual); e Imposto sobre Serviços (municipal). No lugar deles, será criado um imposto sobre o valor agregado de competência estadual, chamado de IBS, e um imposto sobre bens e serviços específicos, o Imposto Seletivo, de competência federal.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
18h38 Prioridade à mulher: Vai à sanção o PL 2.508/2020, que prioriza a mulher como provedora para receber o auxílio emergencial destinado a família monoparental. Pelo texto, o recurso só vai para o pai quando comprovada a guarda unilateral do dependente.
17h30 Proteção aos bancos: Senado aprova PLV 21/2020, decorrente da MP 930/2020, que protege os bancos com investimento no exterior da perdas por variação cambial. O texto segue para sanção presidencial.
Ver todas ›