Cadastro positivo, adoção e polícia penal são os destaques da semana no Senado

Da Redação | 27/10/2017, 15h01 - ATUALIZADO EM 27/10/2017, 17h19

Cadastro positivo

Selo_Aconteceu_no_SenadoO Senado aprovou nesta semana o PLS 212/2017, que estimula a inclusão de dados nos cadastros positivos de crédito. O texto estende ao cadastro positivo a mesma regra que hoje vale para o negativo: as instituições financeiras podem incluir informações no sistema sem autorização específica dos clientes. De acordo com o autor do projeto a medida não constitui quebra do sigilo bancário. Os três destaques apresentados ao texto foram rejeitados pelo Plenário.

Processo de adoção

O Senado também aprovou, por unanimidade, o PLC 101/2017, que agiliza o processo de adoção de crianças e dá prioridade aos grupos de irmãos ou menores com deficiência, doença crônica ou com necessidades específicas de saúde. A preferência será inserida no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Uma das novidades do texto é a autorização do cadastro para adoção de recém-nascidos e crianças mantidas em abrigos que não forem procuradas pela família biológica em até 30 dias. O projeto ainda formaliza a prática do apadrinhamento, favorecendo menores em programas de acolhimento institucional ou familiar, ou seja, quando estão em um orfanato ou em famílias substitutas provisórias. Pessoas jurídicas também poderão apadrinhar crianças e adolescentes para ajudar em seu desenvolvimento. A matéria, que havia sido aprovada ainda esta semana na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), segue para sanção.

Polícia penal

O Senado aprovou em segundo turno a criação das polícias penais federal, estaduais e distrital (PEC 14/2016). O projeto acrescenta essas polícias ao rol dos órgãos do sistema de segurança pública, e determina como competência dessas novas instâncias a segurança dos estabelecimentos penais e a escolta de presos. A intenção é liberar as polícias civis e militares das atividades de guarda e escolta de presos. A PEC vai para análise da Câmara dos Deputados.

Crimes no sistema financeiro

Foi aprovado ainda o PLC 129/2017, que regula os processos administrativos do Banco Central (BC) e da Comissão de Valores Mobiliários (CMV). O projeto aumenta o valor de multas e concede mais poderes às duas instituições para combater crimes contra o sistema financeiro nacional. O projeto define infrações, penas, medidas coercitivas e meios alternativos de solução de controvérsias aplicáveis aos bancos e outras instituições supervisionadas pelo BC. O projeto, que havia sido aprovado na Comissão de Assuntos Econômicos nesta semana, foi apresentado depois que a MP 784/2017 perdeu a vigência. A matéria vai a sanção.

Nomeação para Justiça Eleitoral

Pessoas com filiação partidária podem ser impedidas de se tornar membros da Justiça Eleitoral. É o que estabelece a PEC 4/2017, aprovada também pelo Senado, mas em primeiro turno. Pela proposta, não podem integrar o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os tribunais regionais eleitorais (TREs) e as juntas eleitorais advogados e cidadãos indicados que tiverem sido filiados a partidos políticos nos dois anos anteriores à posse no cargo ou ao início do exercício da função. A intenção é garantir a imparcialidade nos julgamentos. O texto ainda terá que passar por três sessões de discussão antes da votação em segundo turno.

Outras aprovações em Plenário

O Plenário aprovou ainda a criação do Dia Nacional do Ciclista (PLC 76/2017) e da Comenda Zilda Arns para pessoas ou instituições que desenvolvam ações para a proteção da criança e do adolescente (PRS 30/2015), além de acordos destinados a promover a cooperação educacional entre o Brasil e a República da Zâmbia (África) e São Vicente e Granadinas (América Central). Foi aprovada ainda a indicação de Breno Medeiros para o cargo de ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Relatório da CPI da Previdência

Por unanimidade, foi aprovado esta semana o relatório do senador Hélio José (Pros-DF) sobre os trabalhos da CPI da Previdência. A pedido de senadores, o relator concordou em retirar do texto os indiciamentos dos ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e da Casa Civil da Presidência da República, Eliseu Padilha. Hélio José leu um resumo dos principais pontos de seu texto. O relatório aponta erros na proposta de reforma apresentada pelo governo; sugere emendas à Constituição e projetos de lei; além de indicar uma série de providências a serem tomadas para o equilíbrio do sistema previdenciário brasileiro, como mecanismos de combate às fraudes, mais rigor na cobrança dos grandes devedores e o fim do desvio de recursos para outros setores. O documento aponta inconsistência de dados e de informações divulgados pelo Poder Executivo, que “desenham um futuro aterrorizante e totalmente inverossímil”, com o intuito de acabar com a previdência pública e criar um campo para atuação das empresas privadas. Segundo o relatório da CPI, as empresas privadas devem R$ 450 bilhões à Previdência e, para piorar a situação, conforme a Procuradoria da Fazenda Nacional, somente R$ 175 bilhões correspondem a débitos recuperáveis. Uma das propostas do relatório é aumentar para R$ 9.370,00 o teto dos benefícios do Regime Geral da Previdência Social (RGPS), que atualmente é de R$ 5.531,31.

Regulamentação de aplicativos de transporte

Passou a tramitar em regime de urgência o PLC 28/2017, que trata da regulamentação dos serviços de transporte particular que usam aplicativos, como Uber e Cabify. O projeto foi discutido na terça-feira na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT). Entretanto, não houve consenso entre os senadores e a matéria seguiu para o Plenário, conforme entendimento entre os líderes partidários e a Presidência do Senado. Estava em análise na CCT um substitutivo do relator, senador  Pedro Chaves (PSC-MS), ao projeto da Câmara. No entanto, alguns senadores esperam chegar a um acordo sobre o texto original da Câmara até terça-feira (31), quando a matéria deverá ser votada.

Projeto contra portaria sobre trabalho escravo

Senadores cobraram a aprovação do requerimento de urgência para o PDS 190/2017, que suspende a portaria do governo que alterou as regras para a fiscalização do trabalho escravo. A portaria do Ministério do Trabalho (MTB 1.129/2017) determina, entre outros aspectos, que jornadas extenuantes e condições degradantes só sejam consideradas trabalho análogo à escravidão se houver restrição de locomoção do trabalhador. Uma liminar da ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu a portaria do governo. Apesar de saudarem a ministra pela decisão, os senadores que são contrários à mudança nas regras dizem que é preciso aprovar o projeto.

Uso de carros oficiais

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) aprovou o PLC 97/2017, que cria restrições ao uso de automóveis oficiais na esfera federal. A proposta concede esse direito, previsto apenas para situações de representação oficial, a um grupo restrito de órgãos dos três poderes. Na lista estão a Presidência e a Vice-Presidência da República e as Presidências da Câmara dos Deputados, do Senado e do Supremo Tribunal Federal. O projeto, que passará por outras duas comissões do Senado antes da decisão em Plenário, ainda estende a permissão de uso de carro oficial aos ministros de Estado, aos comandantes das forças militares e ao chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.

Responsabilidade social em escolas

Escolas de ensino básico que se destacaram em projetos de responsabilidade social poderão ter reconhecimento do Senado Federal. A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) aprovou o PRS 11/2017, que cria a Medalha João Calmon. A ideia original do autor, senador Pedro Chaves (PSC-MS) era premiar instituições particulares que investissem parte de seus lucros em projetos comunitários. No entanto, por sugestão do senador Cristovam Buarque (PPS-DF), o texto foi modificado, para que as escolas públicas também pudessem ser premiadas. A Medalha João Calmon seria concedida anualmente a até três escolas, escolhidas entre estabelecimentos indicados pelos senadores. A premiação será em agosto durante sessão especial. Cada senador poderá indicar, de abril a junho de cada ano, uma instituição concorrente à CE. Caberá ao colegiado escolher os agraciados.

ICMS de querosene de avião

As empresas de transporte aéreo regular, não regular e de serviços aéreos especializados poderão pagar, no máximo, 12% de ICMS incidente sobre o combustível de aviação. A medida, prevista no PRS 55/2015, foi aprovada na Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) e segue para o exame do Plenário, com pedido de votação em regime de urgência. O combustível é o item que mais influencia no cálculo dos custos operacionais das companhias aéreas. Atualmente, essa alíquota varia de 12% a 25% dependendo do estado onde ocorre o abastecimento.

Turismo em Angra Doce

A região do reservatório da Usina Hidrelétrica de Chavantes, entre São Paulo e Paraná, pode passar a ser área especial de interesse turístico. A Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) aprovou o PLC 34/2017, que dá à região o nome de Angra Doce. O objetivo é incentivar o turismo na região. O texto vai a Plenário.

MPs do setor de mineração

Três medidas provisórias que alteram regras do setor de mineração foram aprovadas em suas respectivas comissões mistas. A MP 791/2017 cria a Agência Nacional de Mineração (ANM) e extingue o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). A MP 789/2017 trata dos royalties da mineração. E a MP 790/2017 muda o marco legal do setor. Na versão final, o relator reduziu, de R$ 2 mil para R$ 1 mil, o valor mínimo das multas administrativas definidas na MP por infrações ao Código de Mineração, que está sendo agora atualizado. As três MPs precisam passar pelos Plenários da Câmara dos Deputados e do Senado.

Outras aprovações em comissões

A Comissão de Relações Exteriores (CRE) ratificou o texto do acordo firmado entre os governos de Brasil e Angola na área do ensino superior e da formação de quadros (PDS 173/2017). Já a CCJ aprovou a indicação de Francisco Luciano de Azevedo para compor o Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
10h02 Moro na CCJ : Os senadores começaram neste momento suas perguntas ao ministro Sérgio Moro. O primeiro a perguntar é o senador Weverton (PDT-MA), que criticou a postura do ministro e perguntou se ele não deveria se afastar do cargo.
09h52 Moro na CCJ: O ministro Sérgio Moro encerrou sua fala inicial. Ele disse ter havido uma invasão criminosa por grupo organizado com objetivo de invalidar condenações ou mesmo atrapalhar investigações em andamento ou atacar instituições.
09h19 Sergio Moro na CCJ : A presidente da CCJ, senadora Simone Tebet (MDB-MS), acaba de abrir a audiência com o ministro da Justiça, Sérgio Moro. O ex-juiz da Lava Jato terá 30 minutos iniciais para explicar suas conversas com Deltan Dallagnol.
Ver todas ›