Congresso é que deve decidir sobre aborto, afirma Girão

Da Redação | 17/05/2019, 09h25

Enquanto o Senado discute a proposta de emenda à Constituição que proíbe o aborto desde a concepção (PEC 29/2015), o Supremo Tribunal Federal (STF) analisa duas ações que liberam o aborto. A PEC é de autoria do ex-senador Magno Malta e foi desarquivada a pedido do senador Eduardo Girão (Pode–CE).

“O princípio da violência é o aborto. Você fazer o que você quer com o próprio corpo tem um limite. E quando o corpo não é seu? Porque o bebê já é um ser com DNA diferente”, defende.

Quanto às ações em análise no Supremo, uma permite o aborto de fetos com microcefalia provocada por zika vírus e a outra permite o aborto nas primeiras 12 semanas de gestação. Em entrevista ao programa Salão Nobre, da TV Senado, Girão criticou a atuação do STF quanto ao aborto. Para o senador, decidir sobre o tema é competência do Congresso. Girão questiona, inclusive, a decisão do STF que permitiu o aborto de fetos anencéfalos. “Foi um ativismo judicial do Supremo, que teima em legislar no que é competência desta Casa”, diz o senador.

O texto original da PEC 29/2015, que está na pauta da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), não permitia o aborto em nenhum caso. A relatora, senadora Juíza Selma (PSL-MT), alterou a proposta para incluir a permissão nos casos previstos no Código Penal (Decreto-Lei 2.848, de 1940): estupro e risco de morte da mãe. Mas também não incluiu o de feto anencéfalo, motivo de questionamento de outros senadores.

Na entrevista, Girão também critica a liberação de armas no Brasil. Segundo ele, trata-se de uma medida que combate a violência “jogando querosene” na fogueira. Ele cita o exemplo de situações corriqueiras em que o senador acredita que a violência possa ser potencializada com a arma de fogo, como brigas de trânsito ou embriaguez.

“Eu até respeito a posse, mas o porte é inconcebível. A arma de fogo foi concebida no século 15 com um único objetivo: matar”, afirma.

Girão acredita que o discurso da liberação de armas ganha força por causa do “lobby poderoso da indústria mundial de armas”.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
11h59 Monitoria no ensino médio : A Comissão de Educação aprovou projeto de lei do Senado (PLS 170/2018) que determina que a regulação de monitoria no ensino médio deve ser feita por normas dos sistemas de ensino. O texto seguiu para o Plenário.
11h52 Programa Senado Educador: A Comissão de Educação aprovou projeto de lei do Senado (PRS 21/2019) que cria o Programa Senado Educador, destinado a contribuir para a melhoria da qualidade do ensino. A matéria vai à Comissão Diretora.
11h16 Professor da educação básica : A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) aprovou projeto de lei da Câmara (PLC 88/2018) que estabelece diretrizes para a valorização dos profissionais da educação escolar básica pública. A matéria seguiu para a CCJ.
Ver todas ›