Leila defende investigação transparente e punição para evitar novos rompimentos de barragens

Da Redação | 07/02/2019, 14h56

A senadora Leila Barros (PSB-DF) disse nesta quinta-feira (7) em Plenário ser imprescindível uma investigação transparente e uma punição rigorosa aos responsáveis pelo rompimento de uma barragem da mineradora Vale, em Brumadinho (MG), na região metropolitana de Belo Horizonte. Até o momento, de salientou a parlamentar, foram registradas 150 mortes e mais de 180 pessoas estão desaparecidas. Ela classificou o desastre como ser inaceitável, especialmente por ocorrer pouco mais de três anos depois da catástrofe em Marina, que matou 19 pessoas e destruiu o Rio Doce, num rastro de destruição que chegou ao litoral do Espírito Santo.

— Não pretendo entrar na fila dos que se apressam a apontar o dedo em busca de culpados, mas quero lembrar que até hoje a sociedade brasileira não sabe o por quê e quem foi culpado pelo rompimento da barragem em Mariana, há pouco mais de três anos — disse em referência à tragédia que ocorreu em 2015, quando uma barragem também se rompeu no município de Mariana, em Minas Gerais.

Para ela, é fundamental rever os critérios e os parâmetros utilizados no acompanhamento desse tipo de barragem, e por este motivo, anunciou a apresentação de um projeto de lei para alterar a Lei 12.334, de 2010, que estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens. A proposta, segundo a senadora, resgata estudo realizado pela comissão temporária destinada a avaliar a Política Nacional de Segurança de Barragens e define com mais clareza os responsáveis pela fiscalização. Além disso, afirmou Leila, sua proposta agiliza as indenizações para as famílias das vítimas e torna mais rigorosas as regras para os empreendimentos no setor,  garantindo assim mais segurança das barragens.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)