Divulgação completa sobre covid-19 garante transparência, dizem senadores

Da Redação | 09/06/2020, 13h22

A decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que obriga a retomada da divulgação dos dados acumulados sobre a pandemia de covid-19  é uma vitória da transparência. A avaliação é de senadores, ao comentarem a liminar do ministro, que acatou pedido de partidos de oposição para restabelecer o modelo anterior de compilação de dados estaduais, sem manipulação.

Na sexta-feira (6), o governo federal excluiu os dados relativos ao total de pessoas infectadas e mortas por covid-19 e passou a divulgar apenas os números das últimas 24 horas.

Procurado pela Agência Senado, o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes ( MDB-TO), disse que “decisão judicial não se comenta, se cumpre”. Já o Líder da Rede, Randolfe Rodrigues (AP), comemorou a decisão do ministro Alexandre de Moraes. A Rede foi um dos partidos que ingressaram com a ação no STF.

“Vitória da Transparência. O ministro Alexandre de Moraes deferiu nosso pedido para obrigar o governo a manter a divulgação dos dados de infectados pelo coronavírus como era feito anteriormente”, escreveu Randolfe.

“Vitória da transparência” também foram as palavras usadas por Fabiano Contarato (Rede-ES) e pelo líder do PT, Rogério Carvalho (SE).

“Derrota para o governo e vitória para a transparência. O STF restaura a garantia constitucional do direito à informação. Os dados epidemiológicos da covid são essenciais para o controle e o combate à pandemia — Rogério em sua conta no Twitter.

Para a líder do Cidadania, Eliziane Gama (MA), o ministro Alexandre de Moraes restabeleceu a transparência nos números da covid-19.

“O governo terá que manter a metodologia anterior com a divulgação do número total de mortos. As instituições resistem, temos Judiciário e Legislativo vigilantes”, apontou.

Líder do PSB, Veneziano Vital do Rêgo (PB) escreveu: "Transparência. O Ministro Alexandre de Moraes determinou o governo a manter a divulgação dos dados de infectados pelo coronavírus como era realizada anteriormente”. o senador Ângelo Coronel  também classificou a decisão do ministro como "acertada".

Ação

Na ação de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) apresentada ao STF, Rede Sustentabilidade, PSOL e PCdoB pediram que o governo federal fosse obrigado a divulgar os dados diariamente até as 19h30. O ministro determinou que a Advocacia-Geral da União (AGU) preste as informações "que entender necessárias" no prazo de 48 horas.

Na decisão, o ministro apontou que a “a gravidade da emergência causada pela pandemia de covid-19 exige das autoridades brasileiras, em todos os níveis de governo, a efetivação concreta da proteção à saúde pública”. Alexandre de Morares também ressaltou que a publicidade é a regra na administração pública, além de ser um dos "vetores imprescindíveis".

"A Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988, consagrou expressamente o princípio da publicidade como um dos vetores imprescindíveis à administração pública, conferindo-lhe absoluta prioridade na gestão administrativa e garantindo pleno acesso às informações a toda a sociedade", escreveu.

Comissão mista

Diante da mudança na divulgação dos dados, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, informou que o Legislativo vai monitorar as informações fornecidas pelas secretarias estaduais por meio da Comissão Mista Especial de Acompanhamento do Coronavírus.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
10h48 Comissão do Pantanal: Senadores aprovaram requerimento de audiência pública com Normando Corral, presidente do Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária, e com Sérgio Zen, pesquisador da Universidade de São Paulo.
10h47 Covid-19: Comissão de acompanhamento da pandemia debaterá evolução das vacinas em desenvolvimento e Plano de Operacionalização da Vacinação, elaborado pelo Ministério da Saúde (REQ 72/2020).
Ver todas ›