Senadores destacam protagonismo de Eunício na busca de solução para crise

Da Redação | 29/05/2018, 21h26 - ATUALIZADO EM 29/05/2018, 21h32

Após a votação do projeto de lei que zera o PIS/Cofins do óleo diesel e reonera vários setores da economia (PLC 52/2018), como parte do acordo assumido com os caminhoneiros, os senadores destacaram a condução da votação e o protagonismo do presidente da Casa, Eunício Oliveira, nas negociações para o fim do movimento grevista.

De acordo com vários parlamentares, o presidente da República, Michel Temer, já não conta com a confiança do Congresso, razão pela qual a participação de Eunício nas negociações com o governo e os caminhoneiros foi avaliada como fundamental.

O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) salientou o "equilíbrio e a serenidade" mantidos por Eunício durante a crise.

— Vossa Excelência hoje tomou a melhor decisão e agilizou a decisão de reduzir 46 centavos no preço do diesel, dando uma contribuição efetiva do Senado para a superação da grave crise que o país vive — afirmou.

Para Armando Monteiro (PTB-PE), o presidente do Senado atuou de maneira "altiva e responsável", fazendo uma interlocução que permitiu que a Casa se colocasse no processo de forma "muito construtiva".

— Chegamos a um denominador razoável nessa crise, que tem várias dimensões, mas quem tem responsabilidade pública tem que atuar numa linha de muito equilíbrio entre aquilo que é possível, e a política é a arte do possível — disse.

O senador Paulo Paim (PT-RS) destacou a competência de Eunício na condução da votação do projeto. Ele admitiu não confiar no presidente da República, Michel Temer, mas disse confiar na garantia dada pelo presidente do Senado.

Eunício se disse feliz em mediar a crise e se declarou um democrata por convicção. Ele agradeceu a todos os senadores que compareceram ao Plenário na segunda-feira (28) — quando foram votadas seis medidas provisórias para limpar a pauta — e nesta terça-feira (29), quando o projeto foi aprovado por unanimidade.

— Essa mediação não foi feita para enganar ninguém, mas para garantir a democracia. O entendimento é o melhor caminho — afirmou Eunício.

O senador José Medeiros (Pode-MT) disse acreditar que o Senado deu a resposta que o Brasil precisava neste momento de crise.

— Vimos bem quem queria resolver o problema e quem queria só postergar e colocar lenha na fogueira. E Vossa Excelência demonstrou estar à altura do cargo. O homem público se destaca nos momentos de crise, não pelos arroubos, não por atitudes intempestivas, mas pelo que Vossa Excelência fez hoje: tocar um momento de extrema agonia do povo brasileiro com serenidade — disse.

Para o senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), o acordo para a votação do projeto, que considerou polêmica, só foi alcançado graças ao aval de Eunício.

— O presidente da República se tornou aqui, no Senado, uma pessoa sem palavra. Mas Vossa Excelência estando no meio, a gente confia de que vai acontecer algo de bom nessa negociação.

Já o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que a crise parece agora estar “sob controle”, mas que o país está acéfalo. Ele admitiu ter críticas ao projeto, mas elogiou a condução de Eunício na votação e apontou que o presidente do Senado assumiu “a liderança desse processo”.

— No momento de acefalia, o senhor assumiu um papel que esta Casa espera — afirmou.

Eunicio agradeceu as palavras e disse ter trabalhado por uma saída para a crise desde a última quinta-feira (21), quando convocou uma reunião de líderes de emergência no Senado.

— Me coloquei nos bastidores e não atrás do protagonismo. Em todos os momentos empenhei a palavra em nome desta Casa e hoje essa manifestação de votação deu o apoio necessário para que eu possa continuar falando em nome dessa Casa, sempre com equilíbrio, sem protagonismo — completou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)