CMA aprovou propostas para racionalizar fornecimento de água e de energia

Da Redação | 28/12/2015, 11h36 - ATUALIZADO EM 29/12/2015, 12h03

Propostas para racionalizar o consumo de água e de energia e tornar mais eficiente o fornecimento desses serviços à população receberam atenção da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) em 2015. Os senadores examinaram 65 matérias relacionadas a questões ambientais, entre as quais se destacaram propostas para incentivar a redução do uso de água, favorecer o aproveitamento da água da chuva e estimular o uso de energia solar e de fontes alternativas de energia.

De acordo com o PLS 433/2015, aprovado na CMA, as fontes renováveis de energia, como eólica, solar e biomassa, deverão atender, pelo menos, 15% do consumo anual de energia elétrica no país até 2030.

Atualmente, a energia gerada por pequenas centrais hidrelétricas, parques eólicos e sistemas de aproveitamento da energia solar representa 8% do total. O presidente da CMA, senador Otto Alencar (PSD-BA), defende um melhor aproveitamento da biomassa e da energia dos ventos, do sol e das ondas, entre outras fontes renováveis.

— Creio que o caminho para o Brasil são as fontes renováveis de energia. Só o estado da Bahia tem capacidade de gerar, com energia eólica, duas vezes mais do que gera hoje Itaipu Binacional — afirmou Otto Alencar.

Água

Para regularizar a vazão dos rios e evitar cortes no fornecimento de água, a comissão aprovou projeto (PLS 505/2015) que institui política para criação e operação de reservatórios de acumulação de recursos hídricos em pontos estratégicos ao longo dos cursos d’água.

De acordo com a proposta, as barragens de formação dos reservatórios poderão ser utilizadas em atividades econômicas que não sejam consumidoras de água — como de lazer, por exemplo —, de forma a gerar recursos para custear a manutenção do sistema de acumulação de água.

Outra matéria aprovada (PLS 326/2015) prevê incentivos para captação, preservação e aproveitamento de águas pluviais. A medida segue tendência mundial de utilização de água não tratada para manutenção de jardins, limpeza de calçadas e em atividades agrícolas e industriais.

Os parlamentares também apontam a necessidade de medidas para incentivar a geração de equipamentos de irrigação mais eficientes no consumo de energia e de água. Eles aprovaram o PLS 382/2014, para estimular a indústria a desenvolver esse tipo de equipamento.

Medidas para conscientizar a população a evitar o desperdício estiveram também entre as prioridades da comissão. Os senadores consideram importante incentivar os brasileiros a reduzirem o consumo de água usada para lavar roupa, lavar louça e para limpeza de casas e calçadas.

Eles aprovaram projeto (PLS 176/2005) que torna obrigatória a inclusão da expressão “Água: pode faltar. Não desperdice” na embalagem de produtos de limpeza cujo uso implique consumo de água. A exigência já passou pela Câmara dos Deputados e, para entrar em vigor, precisa passar pelo Plenário do Senado.

Rios

Iniciativas para proteger e recuperar os rios brasileiros também ganharam a atenção da CMA em 2015. A comissão avaliou o programa de revitalização do Rio São Francisco e concluiu que cortes de recursos pelo governo federal dificultaram a execução de ações planejadas.

Relator da avaliação, Otto Alencar apontou ainda falhas na coordenação do programa, como o baixo nível de articulação entre agentes nos três níveis do governo e junto aos grupos da sociedade civil.

— Antes de fazer a transposição [das águas do São Francisco], deveria se fazer a revitalização ou as duas coisas juntas, mas não é admissível que se invista R$ 8,5 bilhões na transposição sem nos preocuparmos em revitalizar uma nascente — lamentou o senador.

Biodiversidade e desertificação

No primeiro semestre, passaram pela CMA o novo Marco Legal da Biodiversidade (PLC 2/2015) e o projeto que cria a Política Nacional de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca (PLS 70/2007). Com o aval da comissão, as matérias foram também aprovadas em Plenário e depois convertidas em leis sancionadas pela Presidência da República.

A Lei da Biodiversidade (Lei 13.123/2015) cumpriu o objetivo principal de simplificar o acesso de pesquisadores aos recursos naturais. Antes, o excesso de regras e o conflito de atribuições de órgãos fiscalizadores colocavam na ilegalidade investigações mantidas até mesmo por empresas públicas de pesquisa, como a Embrapa.

Já a Política Nacional de Combate à Desertificação, prevista na Lei 13.153/2015, foi criada com o propósito de promover ações preventivas na região semiárida, susceptível à desertificação, para evitar práticas que resultem na degradação da terra.

Como explicou Otto Alencar, a região envolve oito estados do Nordeste e municípios do norte de Minas Gerais, reúne cerca de 23 milhões de habitantes, grande parte vivendo em condições precárias.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
20h27 Transporte exclusivo para cuidadores: O Plenário aprovou substitutivo ao Projeto de Lei 2.178/2020, que prevê transporte exclusivo para cuidadores de pessoas com deficiência, de portadores de doenças raras e de idosos durante a pandemia. A matéria segue para a Câmara.
19h57 Dívidas rurais: O Plenário aprovou substitutivo ao Projeto de Lei 1.543/2020, que prorroga o vencimento de dívidas rurais de agricultores familiares. A matéria segue para a Câmara.
17h53 Cessão de leitos para o SUS: O Plenário aprovou substitutivo ao Projeto de Lei 2.324/2020, que obriga hospitais privados a ceder leitos desocupados para tratar pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) com a covid-19. A matéria segue para a Câmara.
Ver todas ›