Para especialistas, é preciso desnaturalizar violência contra a mulher para prevenir feminicídios

17/06/2019, 16h54

Em 2018, foram registrados 1.173 casos de feminicídio no Brasil — um aumento de 12% em relação ao ano anterior. Esse foi um dos dados que motivaram audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado (CDH), nesta segunda (17). A educação para desnaturalizar a violência contra a mulher foi um ponto defendido por especialistas para o enfrentamento a esse tipo de crime que, em geral, é o fim de um ciclo de agressões em ambiente doméstico. A senadora Leila Barros (PSB–DF) defendeu o engajamento dos parlamentares e da sociedade — homens e mulheres — na prevenção e enfrentamento ao feminicídio. A reportagem é de Marcela Diniz, da Rádio Senado. Ouça o áudio com mais informações.



Opções: Download


Senado Agora
12h06 Tecnlogia 5G: A Comissão de Ciência e Tecnologia aprovou o Requerimento 62/2019, para criar uma subcomissão temporária para acompanhar a implantação da tecnologia 5G de telefonia móvel. O colegiado vai ser composto por cinco senadores.
12h06 Rádios comunitárias: A Comissão de Ciência e Tecnologia aprovou, em caráter terminativo, 13 autorizações para rádios comunitárias nos estados de Pernambuco, Santa Catarina, Paraná, Tocantins, Ceará e Rio Grande do Sul.
11h47 Participação popular: Aprovada na Comissão de Ciência e Tecnologia a proposta que define hipóteses de bloqueio de usuários do portal e-Cidadania, de participação popular no Senado. O PRS 65/2019 segue para análise na Comissão Diretora.
Ver todas ›