Cidadão que acompanha o orçamento público dá valor ao Brasil


Ivana de Sousa Brandão

Ivana de Sousa Brandão
  • Colocação no estado: 1ª colocada estadual
  • Ano de participação: 2018
  • Escola: Escola Estadual de Educação Profissional Adriano Nobre
  • Cidade: Itapajé - CE
  • Professor(a): Gevânia de Oliveira Matos

Sou um jovem que gosta de estar com meus amigos e família, assistir séries, ir à academia, e aprender coisas novas: recentemente estou aprendendo a tocar Ukulelê, e ele tem sido uma das melhores formas de passar o tempo. O Ukulelê é um instrumento musical havaiano, de cordas, parecido com um cavaquinho.

Também gosto de ler. E “O pequeno príncipe”, do Antoine de Saint-Exupéry é um dos meus livros favoritos. É um livro que, apesar de curto, nos ensina muito sobre resiliência, empatia, amizade, cuidado e sobre nunca deixar morrer a criança curiosa e de riso fácil que existe dentro da gente.

Pretendo cursar Medicina, com especialização em infectologia ou medicina intensiva e, futuramente, por meio do trabalho com a medicina humanitária, levar esperança e tratamentos de saúde de qualidade às comunidades mais pobres, como fazem os profissionais do programa Médico Sem Fronteiras.

Talvez por isso, goste tanto de uma frase do Martin Luther King: “Todos podem ser grandes, pois todos podem servir”.

Tenho aprendido que todos nós somos inspiradores. Apesar de, em sua maioria, não constarem nos registros históricos, as pessoas que demonstrem fé mesmo diante de uma realidade difícil, amor e empatia ao próximo, coragem de lutar pelo que acreditam, ou pelo simples fato de vencerem suas lutas diárias, sejam elas quais forem, são, indubitavelmente, dignas de nossa admiração.

Na minha igreja existem alguns projetos para ajudar as pessoas mais carentes e, recentemente, o grupo de jovens que participo tem se mobilizado para montar e distribuir cestas básicas, além da mensagem de amor que nós levamos, por meio da música, nas praças da cidade aos domingos, momento que chamamos de “Louvorzão”.

Também participo de outros projetos com foco na educação para a cidadania, Já fui presidente do grêmio de minha escola e, nesse período, participei de formações e projetos que objetivavam a construção de jovens engajados e que, por conseguinte, disseminassem o protagonismo dentro de suas realidades escolares, como o projeto Jovem de Futuro.

Nós jovens possuímos todo o vigor necessário para sermos protagonistas da construção de um país melhor, o que não é tão utópico quanto parece, para isso, basta começarmos pela nossa cidade. Os jovens devem estar engajados na sociedade de forma a fazer com que a sua opinião seja ouvida e respeitada e que seus direitos sejam efetivados, sempre prezarem pelo bem comum e ir além do ativismo digital.

Minha mãe diz que, quando mais nova, eu falava que queria ser presidente do Brasil. Atualmente, apesar dos planos para o futuro ter mudado, o anseio por conhecer mais de pertinho o âmbito político e participar, não só do executivo, mas também do processo legislativo do meu país é o mesmo e, por meio do Programa Jovem Senador, terei essa oportunidade única e incrível!

A minha família é sem dúvida, uma das minhas maiores incentivadoras e meu suporte. Ela que me fornece todas as condições necessárias para que eu possa ter sonhos e alcança-los.

A minha professora e diretora de turma Daniella Ferreira sempre me motiva muito no aspecto da redação e o potencial que vê em mim faz que eu me sinta cada vez mais motivada a escrever.

Para participar do Concurso de Redação pra o Jovem Senador, foi estipulado um prazo para a escrita e reescrita das redações que, posteriormente, foram analisadas pela equipe da área de linguagens e códigos da escola, os responsáveis por selecionarem o texto que representaria a escola.

Quando recebi o resultado de que representaria o meu estado, a repercussão e a felicidade compartilhada foram inimagináveis! Tanto na sala de aula quanto com a escola toda.  Houve reconhecimento, as pessoas ficaram tão felizes quanto eu, o que foi muito incrível (ganhei até um cartaz muito lindo feito pela escola). A notícia também mobilizou as redes sociais e a rádio local, que me entrevistou e ressaltou o sentimento de orgulho por estar enviando a quarta itapajeense a Brasília, para representar o estado do Ceará, por meio do programa Jovem Senador.

Escola Estadual de Educação Profissional Adriano Nobre
Diretor:
Silvandira Mesquita Sousa
Professor orientador:
Gevânia de Oliveira Matos

 

Participar do Jovem Senador é simplesmente incrível. Nos traz esperança, pois em meio a uma realidade em que as ideias e o potencial político que muitos jovens têm a oferecer são subestimados, a equipe do projeto do Senado confiou em nós. Confiou ao ponto de nos levarem do nosso estado de origem à Brasília e lá nos oportunizar transformar nossas ideias em projeto de lei (de verdadee! Haha). Então, foi aí que começou a jornada para efetuar esse plano, em uma semana: a mais intensa da minha vida. Nós fomos divididos em 3 comissões, cada uma composta por 9 alunos. Posso falar com propriedade da comissão Sobral Pinto, não sei se poderia ter ficado em uma melhor, provavelmente não. E o motivo é simples, lá eu aprendi, mais do que estava no planejamento. Claro que vivenciar o trabalho parlamentar e conhecer toda a atividade legislativa e como as leis são criadas foi sensacional, mas discutir sobre direitos, privilégios, necessidades, preconceito, religião e pessoas negligenciadas da sociedade com outros 8 jovens (pessoas incríveis que me deixaram muita saudade), de unidades da Federação diferente, com ideais, pensamentos e perspectivas diferentes foi fundamental, não só para o meu aperfeiçoamento como ser humano, mas para que nós chegássemos a um projeto de lei que sim, pode ser essencial para a vida de muitos outros jovens do nosso País. O seu artigo principal se trata da inclusão do princípio da Diversidade entre os princípios da educação nacional, que até então não compreendia e ao nosso ver é indispensável. Importante ressaltar que ao falarmos de diversidade nos referimos a todas elas, inclusive às habilidades e ritmos de aprendizagem diferentes, crenças e projetos de vida, por exemplo. Ao nosso ver, o projeto não é somente um suporte para os alunos que sofrem discriminação e até mesmo bullying, mas um incentivo a um ambiente educacional mais favorável e acolhedor. Me orgulho muito desse projeto. Imaginem a minha felicidade ao saber que a CDH (Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa) o aprovou, no último 24 de maio. Sei que ainda temos um longo percurso a ser efetuado, mas é animador saber que projetos como esse, que lutam pela empatia, ainda são valorizados. É isso, e como diz Renato Russo, sempre em frente, não temos tempo a perder. <br>E para os outros jovens, queria dizer que sim, vocês podem. Novamente: VOCÊS PODEM AJUDAR A CONSTRUIR UM BRASIL MELHOR.

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11