Senadores divergem sobre uso da AGU em defesa de perfis de apoio a Bolsonaro

28/07/2020, 15h16

Por decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), contas de aliados do presidente Jair Bolsonaro foram bloqueadas por redes sociais, como Twitter e Facebook, na última sexta-feira (24/7). Em seguida, a Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com ação contra a derrubada desses perfis de pessoas ligadas a Bolsonaro. Senadores dos partidos de oposição criticaram a AGU por se manifestar contra a decisão de Moraes. Para o senador Jean Paul Prates (PT-RN), a AGU não pode ser usada para fins pessoais. Já o vice-líder do governo, senador Chico Rodrigues (DEM-RR), argumentou que a ação não foi movida pela AGU em defesa de Bolsonaro, mas da liberdade de expressão e da manifestação do pensamento. O recurso ainda será analisado pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF). Mais informações na reportagem de Hérica Christian, da Rádio Senado.



Opções: Download


Senado Agora
17h19 Ministério técnico: Líder do governo, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) disse que Mandetta teve liberdade para conduzir o Ministério da Saúde. Ex-ministro rebateu que montagem da pasta foi técnica, mas respaldo acabou quando a pandemia começou.
17h01 Sistema: Izalci Lucas (PSDB-DF) quis saber por que o SUS não tem um sistema informatizado unificado. Mandetta disse que isso sempre foi um desafio, mas havia projeto nesse sentido antes da pandemia, interrompido após sua gestão.
17h00 "Guedes é desonesto intelectualmente": Ao rebater afirmação do ministro da Economia de que Mandetta “saiu com R$ 5 bilhões no bolso” e não agiu para a compra de vacinas, Mandetta disse que “Guedes é desonesto intectualmente".
Ver todas ›