Humberto Costa defende continuidade de ações sobre fake news

Da Rádio Senado | 10/06/2020, 15h56

O senador Humberto Costa (PT-PE) defendeu, em pronunciamento nesta quarta-feira (10), o prosseguimento de duas medidas judiciais que podem mostrar para o país como funcionam as organizações criminosas responsáveis pela produção, pelo financiamento e pela divulgação de notícias falsas. 

Segundo ele, uma delas é uma ação proposta no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o objetivo de cassar a chapa formada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e seu vice, Hamilton Mourão. Os autores da ação alegam que a candidatura foi beneficiada pelo uso de fake news para atacar os adversários, o que pode ter interferido no resultado das eleições de 2018. O julgamento dessa ação foi interrompido ontem, depois de um pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes.

A outra, afirmou, é o inquérito instaurado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar e identificar os responsáveis por ataques contra a Corte e seus integrantes, por meio de notícias falsas divulgadas em redes sociais. Nesta quarta-feira (10), o tribunal iniciou o julgamento de uma ação que questiona a legalidade da apuração. Na opinião de Humberto, esse inquérito também merece prosperar.

O senador lembrou ainda que a Polícia Federal já colheu informações e documentos ligados a produtores, financiadores e divulgadores de notícias falsas. Ele espera que o trabalho avance e consiga desvendar a participação de parlamentares e o uso de dinheiro público por essa organização criminosa.

— Essas investigações terminam atingindo também o próprio Palácio do Planalto, onde existe um grupo chamado gabinete do ódio, pago por dinheiro público, e que, na verdade, passa todo o tempo a pensar quais instituições, quais pessoas devem ser atingidas, e como atingi-las, disse.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
16h52 CPI da Pandemia: Zenaide Maia (Pros-RN) afirmou que o governo vendeu “falsa esperança” ao povo brasileiro ao incentivar o uso da cloroquina. Ela cobrou do governo a publicidade educativa sobre uso de máscaras e isolamento.
16h40 CPI da Pandemia: Simone Tebet (MDB-MS) elogiou Nelson Teich por ter deixado o Ministério da Saúde após ter percebido que não teria a autonomia desejada. Para ela, o governo tentou usá-lo como "fachada" para suas teses negacionistas.
16h38 CPI da Pandemia: CPI ouve semana que vem representantes da Pfizer (terça, 11), do Butantan e Fiocruz (quarta, 12), da Sputnik (quinta, 13), os ex-ministros Fábio Wajngarten, da Secretaria de Comunicação (11), e Ernesto Araújo, ex-chanceler (13).
Ver todas ›