Medeiros defende a desistência do Brasil de sediar a COP-25

Da Redação | 29/11/2018, 14h44 - ATUALIZADO EM 03/12/2018, 12h42

O senador José Medeiros (Pode-MT) afirmou nesta quinta-feira (29) em Plenário que o futuro governo, de Jair Bolsonaro, deu um "freio de arrumação" ao anunciar — desde já — a retirada da candidatura do Brasil para sediar a Conferência das Partes da Convenção do Clima das Nações Unidas (COP-25), destinada a negociar a implementação do Acordo de Paris, em novembro de 2019.

Medeiros afirmou que nessas reuniões internacionais a "Geni" — personagem da música Geni e o Zepelim, de Chico Buarque, que leva pedradas — acaba sendo o Brasil, que estaria sendo alvo de fardos cada vez maiores, apesar de, no entendimento de Medeiros, ser a nação que "mais se preocupa em proteger o meio ambiente".

— O país que mais protege encostas, matas ciliares e é o mais enxovalhado, a Geni, o Judas. Tem gente bem intencionada nisso, mas tem gente usando como instrumento para fazer barreira comercial contra o Brasil. Por quê? Porque é difícil enfrentar esse gigante. Temos, por exemplo, o maior índice de produtividade do mundo no cerrado. Como que se enfrenta um país desse? — afirmou.

O senador disse que o assunto tem que ser tratado sem ingenuidade, caso contrário, "o mundo engolirá o país com facilidade", visto que "é fácil barrar um gigante ingênuo".

— O Brasil tem sido alvo de fardos cada vez maiores e vem cumprindo todas as exigências. Veio um Código Florestal pesado, e os produtores cumprindo tudo. O Ibama, que era plural, tornou-se um órgão policial, que recebe de fora para fazer seus serviços. Em dólares, da Noruega e de tudo que é lugar — afirmou.

Medeiros completou dizendo só haver uma saída para o país nesse momento: explorar sua vocação, que é produzir alimentos de qualidade, sem demonização do agronegócio e dos ruralistas.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
10h28 Empréstimo para Pernambuco: Os senadores da Comissão de Assuntos Econômicos autorizaram empréstimo de US$ 37 milhões do BID para o estado de Pernambuco. Os recursos se destinam ao Profisco II. A matéria seguiu para o Plenário.
10h12 Unesco: A Comissão de Relações Exteriores (CRE) aprovou por unanimidade o nome de Santiago Irazabal Mourão para delegado permanente do Brasil junto à Unesco.
Ver todas ›