Paim pede diálogo para dar fim à greve dos caminhoneiros e à crise dos combustíveis

Da Redação e Da Rádio Senado | 28/05/2018, 15h27 - ATUALIZADO EM 28/05/2018, 16h02

Preocupado com o desabastecimento por causa da greve dos caminhoneiros, o senador Paulo Paim (PT-RS) disse ser lógica a insatisfação da categoria com os constantes aumentos do valor dos combustíveis. Do jeito que está, os caminhoneiros estão praticamente pagando para trabalhar, afirmou o senador, para quem a paralisação conta com o apoio da sociedade em geral, que também sofre com o elevado preço do gás de cozinha, e de outras categorias, como motoboys e motoristas.

Ele citou as reivindicações dos caminhoneiros, como a isenção do pedágio de eixo elevado; um pagamento mínimo pelo frete; redução no valor do diesel; e destinação de 30% dos fretes da Conab para os caminhoneiros autônomos. O governo neste domuingo anunciou que aceita as reivincicações.

Paulo Paim afirmou que a situação atual é consequência das decisões equivocadas nos últimos dois anos, quando a saída para a crise, na opinião dele, seria a realização de eleições gerais.

— Bom senso manda dialogar, encontrar uma saída. Claro que todos nós estamos solidários a esses profissionais. Ninguém tem dúvida quanto a isso. Por isso, é necessário muito diálogo, da parte do governo e (...) aqui do Congresso. Eu tenho certeza que nesta questão não há divisão entre oposição e situação. Todos estamos torcendo para que haja um grande acordo.

Igualdade racial

Paim informou ainda que, até o dia 30 de maio, será realizada em Brasília a 4ª Conferência Nacional da Promoção da Igualdade Racial (Conapir) deste ano será O Brasil na década dos afrodescendentes: reconhecimento, justiça, desenvolvimento e igualdade de direitos.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)