Cota para contratar moradores de rua nas licitações públicas é aprovada na CAS

Sergio Vieira | 11/04/2018, 12h57 - ATUALIZADO EM 12/04/2018, 17h01

A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) aprovou nesta quarta-feira (11) projeto que pode auxiliar na reinserção de moradores de rua ao mercado de trabalho (PLC 130/2017).

Pelo texto aprovado, relatado pela senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), os editais de licitação de obras e serviços deverão exigir a contratação de trabalhadores em situação de rua em percentual não inferior a 2% do pessoal contratado, sempre que o objeto da obra ou serviço for compatível com a utilização de mão de obra de qualificação básica.

Rose de Feitas lembrou que o texto atual da Lei de Licitações (Lei 8.666/1993) já prevê a reinserção profissional aos egressos do sistema carcerário. Portanto, disse ela, a inovação agora consiste na extensão dessa cota aos moradores de rua.

- Sabemos todos, e existem estudos corroborando, sobre as consequências trágicas do desemprego na vida de trabalhadores que, após perdas sucessivas, estão em situação de rua. Estão sujeitos a lidar com sentimentos de fracasso, alcoolismo e depressão, aos quais são levados pela perda do trabalho, principal referência material, psicológica e cultural da vida de hoje - afirmou Rose de Freitas durante a votação.

O projeto segue agora para análise da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
15h22 Embaixador na Argélia: Por 40 votos a favor, um contra e uma abstenção, o Plenário aprovou a indicação do diplomata Flavio Marega para o cargo de embaixador do Brasil na Argélia (MSF 46/2018).
15h09 Acordo com a Argentina: O Plenário aprovou o Projeto de Decreto Legislativo 70/2018, que trata de acordo entre Brasil e Argentina para evitar a dupla tributação e prevenir a evasão fiscal. A matéria vai a promulgação.
14h33 Cotas para bolsistas: Comissão de Direitos Humanos aprovou Projeto de Lei do Senado 197/2018 que estende cotas para bolsistas de escolas beneficentes. A matéria segue para a Comissão de Educação.
Ver todas ›