Presidente do Senado abre Semana de Valorização da Primeira Infância

Da Redação | 24/10/2017, 16h25

Foi aberta na manhã desta terça-feira (24), a 10ª Semana de Valorização da Primeira Infância e Cultura de Paz. O presidente do Senado, Eunício Oliveira, esteve no evento, organizado anualmente pela Comissão de Valorização da Primeira Infância, vinculada à Presidência da Casa, e ressaltou a oportunidade, de mais uma vez, reunir especialistas para debater a fase em que as crianças estão mais abertas ao aprendizado.

— A revolução educacional que o país precisa deve começar no ensino infantil. Em longo prazo, os recursos aplicados na Primeira Infância proporcionam controle da criminalidade e aumento da renda familiar. País educado é país desenvolvido — opinou Eunício.

O presidente do Senado elogiou o tema do evento esse ano, que aborda a formação dos educadores da Primeira Infância, e afirmou que a comissão tem conseguido transmitir questões essenciais para o desenvolvimento do ensino infantil. O senador avalia que o investimento nos primeiros anos das crianças determina uma sociedade igualitária, equilibrada, justa e desenvolvida.

— A ciência tem nos provado que não somente a genética, mas o trato, a convivência e a educação são determinantes na construção de vida do indivíduo. Antes era somente o bom senso a guiar os pais. Hoje sabemos que é preciso estimular experiências criativas para cuidar das crianças — disse.

Presidente da Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), senadora Lúcia Vânia (PSB-GO) citou dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que atestam um gasto anual do Brasil com creches de US$ 3.800, enquanto o ideal seriam US$ 8.900. Ela considera que o país tem um caminho longo a percorrer.

— Precisamos priorizar a base da educação construída nas creches. E priorizar a educação como fazemos com o combate à inflação. Até os dois anos a criança tem formadas suas ligações cognitivas, que serão as bases do aprendizado utilizadas em toda a vida — argumentou a senadora.

Uma só escola

Lúcia Vânia frisou que, segundo a Fundação Abrinq, apenas em 2042 haverá oferta de creches para 50% das crianças de zero a três anos. Segundo a mesma instituição, 52% dos filhos dos ricos estão em creche, enquanto o índice entre as crianças pobres chega a somente 21,9%. Ela lembrou que educação é oportunidade.

— Não podemos aceitar a escola do pobre e a do rico. Deve haver uma só escola e de qualidade — defendeu.

A deputada Carmen Zanotto, vice-presidente da Frente Parlamentar da Primeira Infância, afirmou que tomografias revelam o desenvolvimento neurológico de crianças estimuladas na primeira infância. Ela chamou atenção para a importância de debater, construir e implementar ações nesse tema, trazendo mais mulheres para os espaços de poder e mais homens para cuidar de políticas públicas voltadas à área social.

Mesmas chances

Também esteve na abertura o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, que lembrou a importância da aprovação unânime no Congresso do Marco Legal da Primeira Infância (Lei 13.257/2016).

Médico, ele destacou que as competências básicas do ser humano se desenvolvem nesse período e disse que é preciso orientação às famílias pobres para que suas crianças cresçam com as mesmas chances dos filhos da classe média.

A presidente da Comissão de Valorização da Primeira Infância, Lisle de Lucena, comemorou a oportunidade de mais uma troca de conhecimentos entre parlamentares e especialistas, com a parceria da Embaixada da França e o trabalho de conferencistas voluntários. Ela afirmou que o evento gera uma agenda positiva para o Senado, capacitando os participantes.

Também se pronunciaram na abertura Alain Bourdon, representante da embaixada da França, e Thereza de Lamare, representando o ministro da Saúde Ricardo Barros. As senadoras Ana Amélia (PP-RS) e Martha Suplicy (PMDB-SP) estiveram no evento, assim como a diretora-geral do Senado, Ilana Trombka, e Ângela Brandão, diretora da Secretaria de Comunicação Social (Secom).

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)