CPI mista da JBS já tem 141 requerimentos na pauta

Da Rádio Senado | 18/09/2017, 18h53 - ATUALIZADO EM 21/09/2017, 14h55

A comissão parlamentar mista de inquérito criada para investigar as atividades do grupo JBS tem, para a próxima reunião, uma pauta com 141 requerimentos. Entre os pedidos estão os de convocação dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da empresa J&F e responsáveis pela delação premiada que envolveu o presidente da República, Michel Temer. A reunião está marcada para a próxima quarta-feira (20), às 9 horas.

Além dos irmãos, também há requerimentos para que compareçam à CPI executivos da empresa e o ex-procurador Marcelo Miller. Ele é suspeito de ter cometido crimes de organização criminosa, obstrução das investigações e exploração de prestígio, orientando os irmãos Batista. O ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, cujo mandato terminou neste domingo (17), também pode ser convidado pela CPI. Janot foi substituído nesta segunda pela procuradora Raquel Dodge.

Também há um pedido de convite ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para que esclareça sua ligação com o grupo dos irmãos Batista. Ele já ocupou a presidência do Conselho de Administração da J&F. Outros requerimentos pedem, ainda, que sejam ouvidos ex-presidentes do BNDES e que que o banco envie o levantamento detalhado de todos os empréstimos feitos às empresas do Grupo J&F.

Tambem há pedidos de compartilhamento de dados da Polícia Federal, da Receita Federal, do Ministério Público e do Tribunal de Contas da União, entre outras instituições. O presidente da CPI mista, senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), também quer que a Polícia Federal ceda um delegado que integre a equipe relacionada à Operação Lava-Jato para colaborar com os trabalhos desta CPMI até o encerramento das atividades.

Instalada no início de setembro, a CPI tem como vice-presidente o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) e como relator o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), afinado com o governo Temer. O foco da CPI mista são as supostas irregularidades envolvendo as empresas JBS e J&F em operações realizadas com o BNDES e BNDESPar, ocorridas entre os anos de 2007 a 2016.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)