Pessoas de grupo de risco precisam ficar em quarentena hospitalar

Da Redação | 29/06/2009, 00h00 - ATUALIZADO EM 28/02/2019, 23h10

Entre as medidas de prevenção e controle recomendadas pelo Ministério da Saúde, estão a quarentena e o isolamento. Saiba em que casos são indicados: Quarentena domiciliar voluntária: recomendada às pessoas que tiveram contato próximo com pessoa com caso suspeito ou confirmado, mas que não apresentem sintomas. O período deve ser de sete dias, contados a partir do último contato (14 dias no caso de crianças). Durante a quarentena, a pessoa deve:


-evitar compartilhar objetos; 

-evitar tocar olhos, nariz ou boca;

-lavar as mãos frequentemente com água e sabão, em especial depois de tossir ou espirrar;

-manter o ambiente ventilado.

A Vigilância Epidemiológica deverá acompanhar a pessoa, por telefone ou presencialmente, durante sete dias.

Isolamento domiciliar: recomendado para pessoa que teve contato com a gripe e apresente os sintomas, mas que não pertença a grupo de risco para complicações e óbito. Além das orientações do item anterior, deve-se:

-usar máscara cirúrgica descartável;

-permanecer em quarto exclusivo;

-evitar contato próximo com pessoas.

Isolamento hospitalar: para os pacientes de grupos de risco.Deve ser realizado somente nos hospitais de referência, divulgados no site do Ministério da Saúde. Segundo a OMS, deve ocorrer em quarto privativo, sinalizado, com vedação na porta, boa ventilação e acesso restrito aos profissionais de saúde.

O isolamento (domiciliar ou hospitalar) será suspenso nas seguintes situações: a) se for descartado o diagnóstico de influenza A;

b) nos casos confirmados, ao final do 7º dia após o início dos sintomas (14º dia para crianças).

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)