TV Senado ultrapassa 500 mil inscritos no YouTube

Da Comunicação Interna | 27/03/2020, 11h10

O canal no YouTube da TV Senado superou nesta semana a marca de 500 mil inscritos, um recorde para a comunicação institucional da Casa e resultado do trabalho de divulgação das redes sociais e das atividades legislativas. Apenas na plataforma de vídeos, são quase 74 mil publicações desde dezembro de 2010, quando foi feito o registro, e 96,8 milhões de visualizações do conteúdo até esta quinta-feira (26).

A chefe do Serviço de Internet da TV Senado, Carla Caldas, afirma que apenas nos últimos nove meses o canal recebeu mais de 100 mil inscritos, e existe espaço para crescer essa base.

— Desde o ano passado notamos maior interesse das pessoas pelas atividades do Senado. A TV é uma vitrine da Casa e tem recebido atenção de pessoas que se interessam mais por política. Além do número de inscritos, temos uma média de 2 milhões de espectadores por mês, então há uma boa margem de aumento do alcance — detalha.

O canal no YouTube faz transmissões ao vivo do Plenário, de comissões e de audiências públicas, além de reportagens relevantes, como a respeito do novo coronavírus. Os inscritos têm acesso a conteúdo em primeira mão e informações atualizadas sobre a rotina legislativa.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
20h27 Transporte exclusivo para cuidadores: O Plenário aprovou substitutivo ao Projeto de Lei 2.178/2020, que prevê transporte exclusivo para cuidadores de pessoas com deficiência, de portadores de doenças raras e de idosos durante a pandemia. A matéria segue para a Câmara.
19h57 Dívidas rurais: O Plenário aprovou substitutivo ao Projeto de Lei 1.543/2020, que prorroga o vencimento de dívidas rurais de agricultores familiares. A matéria segue para a Câmara.
17h53 Cessão de leitos para o SUS: O Plenário aprovou substitutivo ao Projeto de Lei 2.324/2020, que obriga hospitais privados a ceder leitos desocupados para tratar pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) com a covid-19. A matéria segue para a Câmara.
Ver todas ›