Paim comemora 40 anos do Movimento de Justiça e Direitos Humanos

Da Redação | 26/03/2019, 16h14

O senador Paulo Paim (PT-RS) comemorou nesta terça-feira (26) o aniversário de 40 anos do Movimento de Justiça e Direitos Humanos, fundado em 25 de março de 1979, em Porto Alegre. Segundo o parlamentar, o grupo foi pioneiro na luta pelos direitos humanos no Brasil, e participou ativamente de campanhas a favor das Diretas Já!, da Assembleia Constituinte e da Reforma Agrária.

A criação da primeira Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da história dos parlamentos brasileiros, na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, foi iniciativa do ex-deputado estadual Antenor Ferrari, um dos fundadores do movimento, disse Paim.

— Durante o período de exceção [ditaduras nos países do Cone Sul ocorridas entre as décadas de 1950 e 1990], o Movimento de Justiça e Direitos Humanos, em parceria com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, salvou aproximadamente duas mil pessoas de países do Cone Sul, asilando-as em países europeus — relembrou Paim.

Terceirizados do Senado

O parlamentar aproveitou o discurso para se posicionar a respeito da mudança de contrato dos funcionários terceirizados do Senado. O parlamentar afirmou que irá solicitar ao colégio de líderes que analise o Pregão nº 025/2019, publicado nesta segunda, destinado à contratação de empresa para a prestação de serviços técnicos especializados de apoio técnico e operacional, que estabelece uma diminuição de 33% nos salários dos colaboradores da Secretaria de Infraestrutura do Senado Federal (Sinfra), se comparado ao contrato atual.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
19h57 Dívidas rurais: O Plenário aprovou substitutivo ao Projeto de Lei 1.543/2020, que prorroga o vencimento de dívidas rurais de agricultores familiares. A matéria segue para a Câmara.
17h53 Cessão de leitos para o SUS: O Plenário aprovou substitutivo ao Projeto de Lei 2.324/2020, que obriga hospitais privados a ceder leitos desocupados para tratar pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) com a covid-19. A matéria segue para a Câmara.
Ver todas ›