Jorge Kajuru condena gastos do governo com auxílio-moradia

Da Redação | 22/02/2019, 15h32

Em pronunciamento nesta sexta-feira (22), o senador Jorge Kajuru (PSB-GO) protestou contra o auxílio-moradia recebido por parlamentares e disse que a maioria da população brasileira não têm condições dignas de habitação, enquanto alguns "privilegiados" recebem auxílios-moradia.

— É quase trágico falar sobre auxílio-moradia num país onde milhões de famílias não têm condições dignas habitacionais e adequadas. Basta sair às ruas do nosso País para encontrar pessoas morando nas ruas, debaixo de pontes, debaixo de viadutos [...] além de ocupação de favelas e barracos improvisados — disse.

O senador citou dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que mostram que mais de 11 milhões de pessoas vivem em favelas ou moradias precárias no Brasil e apenas 52% da população vive em condições regulares de residência. Ele mencionou ainda uma pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), indicando que 101 mil pessoas vivem em situação de rua no Brasil.

Kajuru criticou os gastos públicos do Executivo que, segundo ele, chegam a R$3 trilhões e, desse total quase R$1 bilhão será de gastos com auxílio-moradia, de acordo com a previsão orçamentária para 2019.

— Estou entrando em vespeiro, em caixas-pretas da máquina pública, do dinheiro do público, para mim o maior câncer deste País, porque, corrigindo isto, repito, não seria necessária a reforma da Previdência. A gente estaria aqui discutindo, e discutindo rapidamente, urgentemente, a reforma tributária, a reforma política, a reforma do Estado, o endividamento dos Estados, assuntos, para mim, prioritários. Mas da gastança, da "farra do boi" com o dinheiro público, parece que ninguém quer falar — lamentou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
19h11 Violência doméstica: Senado aprova o PL 2.510/2020, que obriga moradores e síndicos de condomínios a informarem casos de violência doméstica às autoridades competentes. Texto vai à análise da Câmara dos Deputados.
18h38 Prioridade à mulher: Vai à sanção o PL 2.508/2020, que prioriza a mulher como provedora para receber o auxílio emergencial destinado a família monoparental. Pelo texto, o recurso só vai para o pai quando comprovada a guarda unilateral do dependente.
17h30 Proteção aos bancos: Senado aprova PLV 21/2020, decorrente da MP 930/2020, que protege os bancos com investimento no exterior da perdas por variação cambial. O texto segue para sanção presidencial.
Ver todas ›