Ivo Cassol destaca propostas sociais e combate à corrupção em balanço de mandato

Da Redação | 19/12/2018, 13h16

O senador Ivo Cassol (PP-RO) destacou alguns dos projetos que apresentou à Casa o fazer nesta quarta-feira (19), da tribuna do Senado, um balanço de seus 8 anos de mandato. O senador destacou como um exemplo de sua atuação no combate à corrupção a apresentação do PLS 171/2012, que autoriza prefeituras e governos estaduais a adquirirem medicamentos e materiais hospitalares diretamente dos fabricantes.

— Sugiro ao presidente Bolsonaro que já nos primeiros dias de seu mandato, edite uma medida provisória baseada neste projeto. É a única forma de acabarmos com a corrupção na compra de remédios e insumos hospitalares. O que ocorre hoje é que os laboratórios vendem para uma distribuidora, que aplica 100% em cima do valor inicial. Depois esta distribuidora repassa para outra, de caráter regional, que aplica outros 100%. Até chegar na secretaria de saúde, é aplicado mais um repasse entre 50% e 100%. Quem paga esta conta enorme é o povo, culpa da má gestão. O lobby de muitos prefeitos contra este projeto, que atua inclusive aqui no Senado, é porque todo este superfaturamento tem dado margem a desvios significativos de verbas a favor deles - disse o senador.

Policiais e bombeiros

Cassol comunicou que sua última proposta será uma sugestão de emenda à Constituição para autorizar policiais militares e bombeiros a exercerem outras atividades, desde que haja compatibilidade de horários.

— Geralmente o PM e o bombeiro entram para estas corporações quando são jovens. Depois fazem um curso superior, como de Direito ou Engenharia por exemplo, mas ficam proibidos de atuarem nestas áreas. Não podem nem dar aulas à noite, ou trabalharem como profissionais liberais — afirmou o senador. Ele ainda informou que esta PEC já tem 22 dos 27 apoios necessários de outros senadores para que possa ser apresentada.

Pasadena

Ainda quanto ao combate à corrupção, Cassol disse que foi o primeiro parlamentar a denunciar superfaturamento na aquisição, pela Petrobras, de uma refinaria em Pasadena (EUA). Lembrou que esta atuação deu sequência ao que fez em 2005, quando era governador de Rondônia, e gravou com uma câmera escondida deputados estaduais solicitando propinas.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)