Criação do Julho Amarelo para reforçar combate às hepatites virais vai à sanção

Da Redação | 19/12/2018, 14h59 - ATUALIZADO EM 19/12/2018, 16h27

O Senado aprovou nesta quarta-feira (19) a criação do “Julho Amarelo” para reforçar as iniciativas de combate às hepatites virais. A mobilização deverá ser realizada a cada ano em todo o território nacional durante o mês de julho, efetivando ações relacionadas à luta contra as hepatites virais. O PLC 35/2018 segue para sanção presidencial.

O senador Paulo Rocha (PT-PA), que atuou como relator quando da tramitação da matéria na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), entende que campanhas como esta podem estimular as pessoas a se vacinarem contra a hepatite e a buscarem o diagnóstico precoce. Ele fez alerta para o fato de que a hepatite é uma ameaça grave à saúde, pois ataca o fígado e é em muitos casos é assintomática.

— É de grande relevância que haja um diagnóstico precoce e, além disso, a vacinação é a melhor forma de prevenção. Instituirmos um mês destinado a chamar atenção para as hepatites virais é um instrumento eficaz de conscientização sobre seus riscos e formas de tratamento e prevenção — afirmou o senador Paulo Rocha.

O mês de julho faz referência à data escolhida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para a celebração do Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais (28 de julho). O PLC é de autoria do deputado federal Marcos Reategui (PSC-AP).

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
11h28 Fundos orçamentários: A Comissão de Constituição e Justiça aprovou a Consulta 1/2017, que analisa se senador ou deputado federal pode apresentar projeto de lei para criação de fundo orçamentário. Matéria segue para a Comissão de Assuntos Econômicos.
11h14 Ministra da Agricultura: Comissão de Agricultura e Reforma Agrária aprovou requerimento convidando a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, para apresentar ao colegiado as diretrizes da pasta para os próximos anos.
10h36 Reforma da Previdência: O secretário da Previdência disse que, pelo projeto entregue ao Congresso, a contribuição previdenciária de quem estiver no teto do serviço público será de 22% sobre o salário que ultrapassar o teto do INSS.
Ver todas ›