Requião avalia eleições e lamenta falta de propostas para enfrentar reais problemas da sociedade

Da Redação e Da Rádio Senado | 07/11/2018, 15h20 - ATUALIZADO EM 07/11/2018, 17h13

Em seu pronunciamento em Plenário nesta quarta-feira (7), o senador Roberto Requião (MDB-PR) lamentou que a campanha eleitoral deste ano tenha sido pobre, sem propostas fundamentais para enfrentar problemas que preocupam a sociedade.

Na opinião dele, praticamente não houve diferença entre os candidatos, e a corrupção tomou, indevidamente, conta do processo. Para ele, esse assunto é de alçada da polícia e da justiça, cabendo a um presidente traçar os rumos do país.

O resultado não poderia ser outro, continuou Requião, ao lembrar que a sociedade — decepcionada com os rumos do país — acabou elegendo o candidato contrário ao PT, partido que, nas palavras dele, levou, injustificadamente, a pecha de corrupto.

O senador citou problemas que afligem a sociedade, especialmente os mais pobres, como a violência, a fome e o desemprego. Para ele, quem se depara diariamente com essa realidade, não está muito preocupado com os valores da democracia.

— As pessoas pensam: se está ruim na democracia, por que não experimentamos outro sistema? Para os intelectuais, os cultos, as classes dominantes, as elites dirigentes, a democracia é um bem absoluto. Para os pobres e os muito pobres, o valor absoluto é a comida para si e para a família, garantida por um emprego regular.

Quanto à insegurança, Requião lamentou que tenha prevalecido, especialmente entre as classes média e alta, a ideia de que é possível combater "bala com mais bala". Para ele, a realidade de pobres e ricos se interpenetra nas grandes cidades e aquela visão promove, na verdade, a divisão da sociedade.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)