Relatório da MP que revoga benefícios do setor petroquímico será lido nesta terça

Da Redação | 06/08/2018, 18h47 - ATUALIZADO EM 06/08/2018, 20h21

Será apresentado nesta terça-feira (7) à comissão mista o relatório do deputado Eduardo Cury (PSDB-SP) sobre a Medida Provisória (MPV) 836/2018, que revoga, a partir de 1° de setembro, o Regime Especial da Indústria Química (Reiq), responsável por desonerar a tributação do setor petroquímico.

A MP dá fim à autorização para o Executivo conceder o chamado "crédito presumido" de Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins sobre a aquisição de etanol por centrais petroquímicas para a produção de polietileno. Revoga também o regime especial para importação de nafta e outros produtos destinados a centrais petroquímicas.

A MP é uma das três medidas editadas pelo governo no final de maio com objetivo de compensar o subsídio ao óleo diesel que garantiu o acordo firmado com os caminhoneiros para dar fim à greve nacional da categoria.

O Reiq, a ser extinto, favorece empresas petroquímicas na compra no mercado interno ou na importação de produtos como nafta petroquímica, etano, propano e butano. Com fim desse benefício, a MP 836 gerará, segundo cálculos do Planalto, uma economia de R$ 172 milhões somente este ano. Em 2019, o valor arrecadado pelo governo será de quase R$ 740 milhões.

A reunião da comissão mista responsável pela análise da MP 836 está marcada para 15h30, no Plenário 3 da Ala Alexandre Costa.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)