Requião critica reoneração de indústrias e manutenção de benefício para empresas de comunicação

Da Redação | 27/06/2018, 12h34 - ATUALIZADO EM 27/06/2018, 13h47

O senador Roberto Requião (MDB-PR) lamentou nesta terça-feira (27) a decisão do Congresso Nacional de manter o veto presidencial referente à lei que reonera a folha de pagamento de alguns setores da economia para compensar a redução do preço do diesel.

O projeto aprovado pelo parlamento previa que 28 setores teriam mantidas a desoneração até 2020. No entanto, com a manutenção do veto presidencial, apenas 17 mantiveram a desoneração

— É um convite ao desemprego, um estímulo à demissão dos empregados — disse.

Apesar de indústrias terem sido excluídas do benefício, foi mantida pelo governo a desoneração para empresas de comunicação,  o que motivou críticas do senador.

— Um setor, o das empresas jornalísticas, as TVs e as rádios não foram tocados. E por que? Porque a imprensa comercial composta pelas seis famílias que dominam o mercado brasileiro de opiniões é uma aliada fervorosa do governo federal e de sua política de arrocho fiscal sobre o povo e de entrega do patrimônio nacional às multinacionais — denunciou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)