CRE aprova nota contra política de tolerância zero de Trump

Da Redação | 21/06/2018, 12h46 - ATUALIZADO EM 21/06/2018, 19h21

A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado (CRE) criticou nesta quinta-feira (21), em nota, a política de “tolerância zero” anti-imigração do governo de Donald Trump, sobretudo pela prática de separar imigrantes clandestinos de seus filhos. O documento aprovado pelo colegiado ainda deverá passar pelo Plenário do Senado, antes de ser encaminhado para a Embaixada dos EUA no Brasil, para a comissão de relações exteriores do Senado norte-americano e para o Itamaraty.

Segundo os números oficiais, cerca de duas mil crianças foram separadas de suas famílias de 19 de abril até o dia 31 de maio, dentre elas, 49 brasileiras que estão em abrigos e foram separadas dos pais ao ingressarem ilegalmente nos Estados Unidos. Alguns dos menores teriam sido colocados inclusive dentro de “jaulas” de metal, sem assistência de adultos, enquanto aguardam os processos dos pais.

Na nota, os senadores lamentam o fato de um país com tradição de acolhimento a estrangeiros e defesa dos direitos humanos ter adotado tais práticas. O documento foi redigido pelo senador Jorge Viana (PT-AC) e recebeu o apoio de integrantes da CRE.

“Os Estados Unidos da América têm uma vasta tradição de acolhimento de imigrantes. Trata-se, como muitos países do continente americano, de uma nação que foi construída pelo imprescindível trabalho e esforço de imigrantes vindos de todo o mundo", diz trecho da nota lida pelo presidente da CRE, senador Fernando Collor (PTC-AL).

Collor observou que, após uma semana de duras críticas à aplicação da nova política de tolerância zero, o líder norte-americano cedeu a pressões e assinou uma ordem executiva determinando que filhos de imigrantes considerados ilegais não sejam mais separados de seus pais. Mas a ordem não contempla as famílias já separadas pela polícia, até o momento.

— Ou seja, para aquelas crianças que estão presas naquela espécie de gaiolas, a que assistimos pelos meios televisivos, essa separação continua – lamentou o senador.

Os senadores Cristovam Buarque (PPS-DF), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Hélio José (Pros-DF) e Ana Amélia (PP-RS) também criticaram a política anti-imigração do governo Trump.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)