Simone Tebet defende reforma tributária e diz que quem parou o país foi a classe política

Da Redação | 30/05/2018, 15h14 - ATUALIZADO EM 30/05/2018, 15h22

Em pronunciamento em Plenário nesta quarta-feira (30), a senadora Simone Tebet (MDB-MS) reafirmou o que disse na sessão do dia anterior, quando foi aprovado o PLC 52/2018, fruto do acordo para dar fim à crise de abastecimento: “Não foi a greve dos caminhoneiros que parou o Brasil. Quem parou o Brasil foi e é a política brasileira”.

Para a parlamentar, a greve dos caminhoneiros, que conta com o apoio quase unânime da população brasileira, representa a insatisfação de 200 milhões de cidadãos. Por isso, é preciso que a classe política, da qual faz parte, assuma a sua responsabilidade também.

— É um momento de repensarmos o país, ouvindo as ruas, que querem, além de uma diminuição da carga tributária, que os recursos pagos pelo suor do seu trabalho em forma de impostos sejam utilizados com eficiência, sejam utilizados para atender as suas necessidades — disse.

Para que haja compensação à sociedade, Simone Tebet afirmou que a subvenção econômica para custear a reivindicação dos caminhoneiros deve acontecer sem que a conta seja paga pela população, agricultores e pecuaristas, comerciantes e empresários.

— Se formos capazes de fazer isso, entraremos para a história, porque estaremos fazendo justiça tributária — disse.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
19h41 Rádios comunitárias: Plenário do Senado aprovou projeto (PLS 513/2017) que aumenta a potência de transmissão e o número de canais disponíveis para rádios comunitárias. O projeto segue para a Câmara.
19h14 Readmissão de empresas no Simples: Plenário do Senado aprovou projeto (PLC 76/2018) que permite a empresas excluídas do Supersimples em janeiro de 2018 retornarem ao regime de tributação.
18h17 Imposto sobre refrigerantes: Plenário do Senado aprovou projeto (PDS 57/2018) sustando decreto que havia reduzido o IPI dos extratos concentrados de refrigerantes de 20% para 4%. Projeto segue para a Câmara.
Ver todas ›