Parlamentares de Roraima criticam ação do governo federal na crise dos imigrantes venezuelanos

Carlos Penna Brescianini | 17/04/2018, 20h13

Os parlamentares de Roraima que fazem parte da comissão mista que examina a Medida Provisória 820/2018 criticaram em audiência pública, nesta terça-feira (17), o atraso do governo federal em assumir sua responsabilidade no gerenciamento da crise dos imigrantes venezuelanos no Brasil. A MP 820 criou o Comitê Federal de Assistência Emergencial para unir as ações de 12 ministérios no atendimento aos quase 100 mil venezuelanos que chegaram ao Brasil pela fronteira de Roraima.

Entretanto, os gastos com o enfrentamento da crise têm sido feitos, na maior parte, pelo governo de Roraima, disse a senadora Ângela Portela (PDT-RR).

— A crise começou em 2014 e somente agora o governo federal se mobilizou. Por isso a governadora de Roraima, Suely Campos, chegou a pedir ao STF o fechamento das fronteiras de Roraima com a Venezuela — comentou.

O deputado Remídio (PR-RR) afirmou que os moradores de Roraima sempre mantiveram bom relacionamento com os venezuelanos.

— As praias do Caribe venezuelano são muito mais próximas de nós que as praias brasileiras. Sempre visitamos e fomos visitados pelos venezuelanos. Todavia, o desespero da fome tem levado ondas de venezuelanos a invadirem casas e comércios brasileiros em Roraima, o que tem prejudicado a boa vontade dos brasileiros — explicou.

Na audiência pública, compareceram representantes dos ministérios da Defesa, da Saúde, dos Direitos Humanos e da Justiça. O contra-almirante Paulo Ricardo Finotto Colaço afirmou que as Forças Armadas estão organizando acampamentos em conjunto com várias organizações que têm socorrido os imigrantes venezuelanos.

— Estamos construindo estruturas de água e esgoto, fornecendo alimentação e realizando atendimentos médicos — disse o militar em uma apresentação com imagens dos dois principais centros, em Pacaraima e Bela Vista.

O deputado Johnathan de Jesus (PRB-RR), relator da MP 820, chegou a pedir desculpas ao contra-almirante Paulo Ricardo por ter afirmado que o comitê federal não trabalha.

— As Forças Armadas estão realmente trabalhando na crise, mas os outros ministérios praticamente nada fizeram — criticou.

Os parlamentares de Roraima explicaram que o governo federal está usando o dinheiro das emendas parlamentares para a crise migratória, em vez de aportar verbas extras. Com isso, os serviços de saúde de Roraima estão sendo estrangulados.

A MP 820 foi editada em 15 de fevereiro de 2018 e precisa ser votada até 15 de junho de 2018. Com a crise político-econômica na Venezuela, Brasil e Colômbia têm sido os países sul-americanos que mais recebem imigrantes. A MP 820 é a primeira ação do governo federal no sentido de agir de maneira integrada para lidar com o alto número de venezuelanos que têm chegado ao país.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)