Elmano Férrer destaca Fórum Mundial da Água e aplaude gestão compartilhada da bacia do Rio Parnaíba

Da Redação | 22/03/2018, 18h18 - ATUALIZADO EM 22/03/2018, 18h20

Em pronunciamento em Plenário do Senado nesta quinta-feira (22), o senador Elmano Férrer (PMDB-PI) destacou a realização, em Brasília, do 8º Fórum Mundial da Água. Ele também aplaudiu a decisão dos govenadores do Piauí, do Maranhão e do Ceará pela gestão compartilhada da bacia do Rio Parnaíba.

Para o senador, a escassez de água potável que ameaça o mundo tem origem na atividade humana.

— Vamos pagar com mais vidas por essa insensatez de não ter sustentação no planeta, no uso dos recursos naturais, na atividade humana, (...) que está levando à mudança do clima, à destruição de florestas e que ameaça milhões de seres humanos, que não têm água para beber e não têm saneamento básico — afirmou Elmano Férrer, para quem a falta de água já está no epicentro das grandes crises humanitárias.

O senador lembrou que o Brasil sofre uma severa crise hídrica, apesar de ter 12% das reservas de água doce do mundo.

— Somos um lamentável exemplo de falta de saneamento básico, desigualdade na distribuição da água e inadequado manejo dos nossos mananciais — lamentou.

Rio Parnaíba

Elmano Férrer lembrou que "abraçou a causa" da gestão hídrica desde o início de seu mandato de senador. E elogiou a recente decisão dos governadores do Piauí, do Maranhão e do Ceará de assinarem um pacto para gestão integrada dos recursos hídricos da Bacia hidrográfica do Rio Parnaíba.

Ele disse ainda que o comitê gestor da bacia, a segunda mais importante do Nordeste, seguirá um modelo inspirado nas melhores práticas mundiais, promovendo a gestão compartilhada entre o poder público, os usuários da água e a sociedade civil organizada.

Dnocs

O parlamentar manifestou ainda sua preocupação com que o chamou de "a morte do Dnocs". Ele mencionou manifesto divulgado pela associação de servidores do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca, que alertaram para o acelerado processo de esvaziamento por que vem passando a instituição.

— Este órgão, que chegou a ter quase 8 mil servidores, hoje tem cerca de mil e duzentos. Destes, quase 800 devem se aposentar este ano. Neste momento, em que o país sedia o Fórum Mundial da Água, estamos assistindo à morte de uma instituição responsável pela construção de todos os açudes no Nordeste nos últimos 100 anos — lamentou.

Mencionando que a sede nacional do Dnocs fica em Fortaleza, Elmano solicitou ao presidente do Senado, Eunício Oliveira, que se junte à mobilização buscando a revitalização do órgão. Para ele, a este compromisso devem juntar-se os demais senadores do Ceará, assim como de todos os outros Estados da região Nordeste.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)