Prazo de prescrição para ação por acidente de trabalho poderá ser de cinco anos

Da Redação | 25/01/2018, 14h38

Está pronto para ser votado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) o projeto que estabelece o prazo de cinco anos de prescrição para ações decorrentes de acidente de trabalho (PLS 512/2017). Do senador Paulo Paim (PT-RS), o projeto tem o senador Eduardo Amorim (PSDB-SE) como relator.

O texto original do projeto dizia que a reparação decorrente de acidente do trabalho é de natureza civil e poderá ser requerida no âmbito da Justiça do Trabalho. O prazo sugerido por Paim era de três anos, com base no prazo das ações de reparação civil estabelecido pelo Código Civil (Lei 10.406/2002). Para o senador, a proposição visa a dissipar dúvidas acerca desse prazo surgidas nos meios jurídicos e dar mais segurança ao trabalhador.

Entretanto, para o senador Eduardo Amorim, a alteração na Consolidação das Leis do Trabalho (DL 5.242/1943) deve ter como base o prazo prescricional para ações trabalhistas estabelecido na Constituição de 1988. Assim, o relator apresentou uma emenda para determinar que a reparação decorrente de acidente de trabalho, de natureza civil ou trabalhista, será requerida perante a Justiça do Trabalho, observado o prazo prescricional de cinco anos.

Amorim diz que o estabelecimento da prescrição no caso de acidentes com base na Constituição e não no Código Civil faz o projeto atingir o seu objetivo da mesma maneira como queria o autor. “Iremos afastar a insegurança jurídica que envolve a questão e também cremos que os trabalhadores serão, em última instância, os maiores beneficiários da segurança normativa”, acrescenta o relator.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
12h16 Dia do Ecumenismo: A Comissão de Educação, Cultura e Esportes (CE) aprovou relatório favorável ao Projeto de Lei da Câmara 111/2018 que cria o Dia Nacional do Ecumenismo (21 de outubro). A matéria segue para o Plenário.
11h39 Treinadores de futebol: A Comissão de Educação rejeitou o Projeto de Lei 369/2015, que torna obrigatória a graduação em educação física para treinador profissional de futebol. A matéria segue para a Comissão de Assuntos Econômicos.
11h33 Crédito para Camaçari: Senadores da CAE autorizaram a financiamento, no valor de até US$ 80 milhões entre o município de Camaçari (BA) e a Corporação Andina de Fomento. A decisão final caberá agora ao Plenário.
Ver todas ›