Francischini pede vista de relatório da CPI da JBS e critica pedido de indiciamento de Janot

Da Redação | 12/12/2017, 13h58 - ATUALIZADO EM 12/12/2017, 20h14

O deputado Delegado Francischini (SD-PR), um dos sub-relatores da CPMI da JBS, pediu vista do relatório final da comissão, apresentado pelo deputado Carlos Marun (PMDB-MS), e questionou o pedido de indiciamento do ex-procurador geral da República Rodrigo Janot.

- Não posso concordar com o indiciamento de Janot. Ele foi o grande coordenador da Lava Jato. Sem ele não teríamos a devolução de milhões aos cofres públicos, nem 120 delações premiadas, que levaram à recuperação de dinheiro e mudanças no nosso país. Não vejo crimes cometidos por ele - disse.

O relatório final da comissão sugere o indiciamento de Janot por prevaricação, abuso de autoridade e “incitação à subversão da ordem política”, crime previsto na Lei de Segurança Nacional. Também pede o indiciamento, pelos mesmos crimes, do também procurador da República Eduado Pellela, ex-chefe de gabinete de Janot na procuradoria.

Francischini pede vista pelo prazo de cinco dias, mas o entendimento da secretaria da CPMI é de que o prazo tem que ser de 24 horas, já que a comissão tem prazo para acabar – dia 22 deste mês.

Francischini e outro sub-relator da comissão, o deputado Hugo Leal (PSB-RJ), defendem a prorrogação do prazo da comissão. Mas Marun quer votar o relatório final até quinta-feira (14), dia em que vai assumir o cargo de ministro da Secretaria de Governo, encarregada das articulações políticas do Palácio do Planalto.

Se o relatório não for aprovado até quinta-feira, terá que ser nomeado outro relator.

A CPMI continua reunida no plenário 2 da Ala Nilo Coelho, no Senado.

Da Agência Câmara Notícias

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)