Regina Sousa comemora Dia da Consciência Negra e diz que educação é a arma contra o racismo

Da Redação e Da Rádio Senado | 20/11/2017, 17h16 - ATUALIZADO EM 20/11/2017, 20h00

A população negra ainda luta pelo fim da desigualdade, afirmou em Plenário a senadora Regina Sousa (PT-PI). Ela destacou o Dia da Consciência Negra, celebrado nesta segunda-feira (20), e apresentou dados do IBGE, que comprovam a diferença na qualidade dos vida de afrodescendentes em relação aos brancos.

A senadora ressaltou que 76% dos brasileiros mais pobres são negros, que têm salários 40% menores do que os dos brancos. Além disso, o desemprego entre os negros é 50% maior.  Na saúde pública, disse Regina Sousa, 60% dos casos de mortalidade materna são de mulheres negras. E apenas 27% das negras tiveram acompanhamento pré-natal, contra 46% das brancas.

O racismo também se evidencia na violência, disse a senadora. A taxa de homicídios de adolescentes negros é quatro vezes maior do que entre os brancos. Regina Sousa afirmou que as mortes por assassinato da juventude negra estão ligadas à ação e omissão do Estado.

— Quantos jovens ainda vão morrer por causa da cor da pele? Quantas pessoas vão ser agredidas? Ter seus terreiros [destruídos] por causa da sua opção religiosa de matriz africana? Qual é a saída? Educar as crianças — afirmou Regina Sousa.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)