Telmário Mota alerta para os riscos na ameaça do general Mourão e pede Reforma Política

Da Redação e Da Rádio Senado | 19/09/2017, 16h29 - ATUALIZADO EM 20/09/2017, 15h15

O Senador Telmário Mota (PTB-RR), afirmou que a fala do General Mourão sobre uma possível intervenção militar no Brasil deve ser vista como um alerta para as instituições que devem zelar pela democracia do Brasil.

— Que esse país, as instituições brasileiras, as autoridades brasileiras voltem a ter a esperança, que passem confiança para o povo brasileiro. Então, portanto, eu entendo isso como um sinal amarelo. É importante que todo mundo nesse momento, Poder Executivo, Poder Judiciário, o Poder Legislativo, realmente receba essa mensagem de uma mensagem de mudança de comportamento.

No último dia 17 o general de Exército da ativa Antonio Hamilton Martins Mourão falou na possibilidade de intervenção militar diante da crise enfrentada pelo País, caso a situação não seja resolvida pelas próprias instituições. A afirmação foi feita em palestra promovida na Loja Maçônica Grande Oriente, em Brasília.

Telmário deu como exemplo de reação a reforma política, que, segundo ele, não está andando no Congresso Nacional enquanto o tempo para que as novas regras possam valer para 2018 se esgota.

Um dos pontos criticados por Telmário no debate dos projetos em discussão na Câmara dos Deputados é a criação de um fundo de custeio para candidatos. Segundo o senador, essa não deveria ser a preocupação dos parlamentares neste momento de crise econômica. Os candidatos deveriam usar “sola de sapato”, sua própria voz e ir até os eleitores:

— Essa preocupação de financiar a campanha, eu não vejo essa necessidade. Sapato é barato, [o candidato] comprar sapato né, a voz, Deus deu de graça sua voz e seu trabalho.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)