Moraes defende uso de Forças Armadas na segurança pública em 'casos específicos'

Da Redação | 21/02/2017, 17h20 - ATUALIZADO EM 21/02/2017, 18h49

Em resposta ao senador Benedito de Lira (PP-AL) na sabatina da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), Alexandre de Moraes, indicado à  defendeu uma maior parceria entre a União e os estados na área da segurança pública. Ele relatou que, sob seu comando, o Ministério da Justiça tomou medidas nessa direção.

— Desde que assumi [o ministério da Justiça] defendo que há necessidade de o governo federal auxiliar os estados. O grande problema é o narcotráfico e seus reflexos, e, consequentemente, o crime não só transestadual como transnacional.

Indicado para o Supremo Tribunal Federal (STF), Moraes disse que sua gestão produziu duas medidas provisórias — uma das quais já convertida em lei — que visavam a ampliação da Força Nacional de Segurança. Segundo o ministro licenciado, a Força Nacional pode chegar ao final do primeiro semestre de 2017 com 7 mil homens — sete vezes mais do que o contingente normal.

Moraes também defendeu a participação das Forças Armadas em ações de policiamento e segurança pública em casos específicos, como o patrulhamento de fronteiras.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)