Atuação de juiz na interpretação da lei não deve representar crime, diz Sérgio Moro

Da Redação | 01/12/2016, 13h55 - ATUALIZADO EM 01/12/2016, 19h57

A atuação do juiz na interpretação da lei e na avaliação de fatos e provas não deve representar crime, disse nesta quinta-feira (1) o juiz federal Sérgio Moro, em sessão temática sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) 280/2016, que regulamenta casos de abuso de autoridade. Ele disse ainda que este talvez não seja o melhor momento para o Senado deliberar sobre uma nova legislação a respeito do tema, num contexto em que o Brasil vive operações importantes como a Lava Jato.

— Faço essa sugestão com extrema humildade. Não me cabe aqui censurar o Senado, mas acredito que talvez não seja o melhor momento, e o Senado pode passar uma mensagem errada  à sociedade. Talvez uma nova lei poderia ser interpretada com o efeito prático de tolher investigações — afirmou o juiz.

Para Sérgio Moro, a  sociedade brasileira está ansiosa pelo que vem sendo revelado pelo trabalho da Polícia Federal, Ministério Público e Judiciário e espera pelo enfrentamento efetivo da criminalidade.

Hermenêutica

Ao entrar no mérito do projeto, Moro afirmou que qualquer lei que reduza desvios de conduta é bem-vinda, mas há que se ter cuidado para que, a pretexto de se coibir o abuso, a norma não tenha um efeito prático de cercear o trabalho dos agentes da lei.

— Não importa a intenção do legislador. Diz um ditado que a lei tem suas próprias pernas. Ainda que tenha boas intenções, como será interpretada e aplicada é uma questão em aberto — advertiu.

O juiz apresentou ao Senado uma sugestão para limitar a possibilidade do chamado crime de hermenêutica, de modo a evitar que seja configurada crime a divergência na interpretação da Lei Penal e da Lei Processual Penal e na avaliação de fatos e provas.

— Com isso parte do receio de uma aplicação equivocada desse projeto pode ser evitada.

Emendas da meia-noite

O magistrado comentou também a aprovação pela Câmara dos Deputados de uma emenda incluindo o abuso de autoridade no pacote anticorrupção contido no PL  4.850/2016 (numeração na Câmara). A votação foi feita na madrugada de quarta-feira (30).

— Essas emendas da meia-noite, que não permitem uma avaliação por parte da sociedade não são apropriadas em se tratando de tema são sensível — afirmou Moro, que elogiou o Senado por estar abordando o tema com "abertura e transparência".

As sessões temáticas foram instituídas no Senado para permitir debates mais aprofundados de grandes temas nacionais, sem as limitações tempo impostas pelo Regimento Interno. Outras questões como mudanças na Petrobras, terceirização e limitação dos gastos públicos também já foram alvo de discussões.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
17h50 Moro na CCJ : Após 8h30 de reunião, a presidente da CCJ, Simone Tebet, encerrou a audiência com o ministro Sérgio Moro. Quarenta e três senadores se inscreveram para debater com o ex-juiz acusações de parcialidade na condução da Lava Jato.
17h44 Moro na CCJ : Antes de encerrar a audiência da CCJ, com o ministro Moro, a presidente Simone Tebet agradeceu a participação de todos e lembrou que o Senado fez jus à condição de ser a casa do diálogo e do equilíbrio.
15h53 Sergio Moro: Após pausa de 10 minutos, a presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), reinicia audiência com o ministro Sergio Moro.
Ver todas ›