“200 anos de Independência: lições da história para a construção do amanhã”


Gabriela Beduschi Guadagnin

Gabriela Beduschi Guadagnin
  • Colocação no estado: 1ª colocada estadual
  • Ano de participação: 2022
  • Escola: Escola de Educação Básica João XXIII
  • Cidade: Maravilha - SC
  • Professor(a): Juliana Centenaro

1 - Já escolheu o curso que vai fazer na Universidade? 

Decidi por dois cursos, Medicina e Ciências Sociais. São cursos que envolvem tudo aquilo que eu mais gosto e que possuo maior interesse.

2 - Você participa de alguma ação social em sua comunidade? Conte para a gente!

Sim. Sou coordenadora do departamento social do Grêmio Estudantil da minha escola, além de representante titular dos estudantes no NEPRE e FUNDEB.

3 - Jovens devem participar de atividades políticas? Se sim, como seria essa participação?

A participação do jovem na política é de extrema importância e necessidade. Somos nós os responsáveis pelo nosso futuro e ações que desencadearão no futuro da nossa sociedade, assim, é preciso que criemos cada vez mais consciência e reconhecimento de que a única forma de realizarmos grandes mudanças positivas que auxiliarão no desenvolvimento humano é por meio do conhecimento, informação e participação ativa dentro dos meios sociais e da política que atualmente está sistematicamente envolvida em qualquer atividade de qualquer âmbito. 

4 - Existe alguém, anônimo ou famoso, que lhe inspira? Por quê?

Muitas pessoas me inspiram, principalmente meus professores, pais e avós, que são inspiradores pela sua simples sabedoria, experiências e seus jeitos de educar e expressar-se. Também tenho grandes inspirações como Angela Davis, Clarice Lispector e Rita von Hunty. Além de outros autores e ativistas que exibem suas opiniões e teorias de forma excepcional, que possuem um nível de compreendimento  e humanidade que eu aprecio imensamente.

5 - Você tem algum hobby?

A música é algo essencial na minha vida (assim como café e bons livros), sei tocar violão e ukulele. Participo a muito tempo do CTG que há aqui na minha cidade, atualmente danço na Invernada Adulta do CTG Juca Ruivo. Sou apaixonada por novas culturas e tenho facilidade em aprender diferentes línguas, então estou sempre buscando mais conhecimento e novos jeitos e visões do mundo. Creio que a leitura é também algo extremamente especial para mim.

6 - Tem livro favorito?

Como leio muito e normalmente livros bem distintos, não possuo apenas um favorito, mas meus autores favoritos são: Agatha Christie, Angela Davis, Clarice Lispector, Nietzsche, Heather Morris, Taylor Jenkins Reid, Oscar Wilde e muitos outros. 

7 - Qual o papel da família exerce na sua vida e na sua formação?

Minha família é a origem do que eu sou hoje, dos meus pensamentos e ações, eles foram os responsáveis por grande parte da minha educação e das minhas atuais virtudes, com eles aprendi inúmeras coisas e o real significado do que é ser humano em toda a sua essência de humanidade. São o meu maior apoio e motivação, sempre acreditaram em mim e no meu potencial até mesmo quando eu não acreditava em mim mesma. Seus conselhos e até mesmo opiniões duras me fizeram ter maior maturidade e responsabilidade para tratar de diversos assuntos com veracidade e me ensinaram a importância da empatia e o verdadeiro significado do sentimento de ser acolhido.

8 - O que te motivou a participar do Jovem Senador? Alguém fez parte desse momento?

A principal motivação veio da minha escola e dos meus professores, que sempre motivam nós estudantes, trazendo tais oportunidades que nos levam ao limite da busca por cada vez mais conhecimento e informação. Também costumo fazer redações para me preparar para o ENEM, então, tornou-se mais uma oportunidade para tal.

09 - Cite uma frase que você gosta.

“ Temos que falar sobre libertar mentes tanto quanto sobre libertar a sociedade”.

 Angela Davis.

10 - Como se sente sendo jovem senador ou jovem senadora?

Me sinto imensamente grata, a notícia ainda é irreal pela sua grande dimensão. Sinto que agora a minha voz, minhas opiniões e ideias terão mais oportunidades de serem ouvidas e isso é o que qualquer jovem com senso social almeja, que sua própria voz, que também é a visão de milhares, possa ser escutada e levada a sério, só precisamos ser ouvidos e compreendidos para que comecemos a mudar nossa realidade, desestruturando preconceitos e qualquer problematização que afete diretamente a atual realidade e nossa comunidade.

Escola de Educação Básica João XXIII
Diretor:
Katia Zanotto Linke
Professor orientador:
Juliana Centenaro